terça-feira, 8 de setembro de 2009

DETH HAAK A POETISA DOS VENTOS E FRANCISCO COIMBRA

PÔ! ÉTICO…
Francisco Coimbra + Deth Haak

vou tentar dizer em bom português o que acabei de ler mesmo se nunca dará poema épico, é ético denunciar
«motorista do Senado ganha para dirigir um automóvel mais que oficial da Marinha para pilotar uma fragata»
vou pensar que é mentira sabendo que é uma verdade ofensiva, desmoralizadora, inconsequente para o Bem
«ascensorista Câmara Federal ganha a tocar elevadoresda casa mais que oficial da Força Aérea a pilotar Mirage»
vou endossar nova teoria de ser agente super secretoonde só se consegue ver uma farda feita por alfaiate?
«diretor sem diretoria do Senado, cujo título é para justificar salário, ganha o dobro de um professor universitário federal concursado, mestrado, doutorado de prestígio internacional»
vou deixar de barato os estudos, o prestigio, os concursos,nada disso parece ser adequado na comparação em causa
«assessor de 3º nível de deputado, que também tem título para justificar seus ganhos, mas que não passa de "aspone"ou mero estafeta de correspondências, ganha mais que um cientista-pesquisador da Fundação Instituto Oswaldo Cruz,com muitos anos de formado, que dedica todo seu tempo buscando curas em vacinas tendo objectivo de salvar vidas»
vou acordar e não pensar mais no assunto depois de fazer o que tem de ser feito aqui - ao gritar bem alto em silêncio
«PRECISAMOS URGENTEMENTE DE UM CHOQUE DE MORALIDADE, NOS TRÊS PODERES DA REPÚBLICA, ESTADOS E MUNICÍPIOS,ACABANDO COM OS OPORTUNISMOS E CABIDES DE EMPREGO»
vou rimar a desigualdade com igual semelhança a doença cujo tratamento já seria cura se em vez de rimar arrumasse…
«OS RESULTADOS NÃO JUSTIFICAM O NÚMERO DE SENADORES,DEPUTADOS FEDERAIS, ESTADUAIS E VEREADORES QUE TAIS»
vou continuar a arrumar a informação até se perceber bemde mais que já cheira a política e política nem queremos ver .
«DAR FIM A "CURRAIS" ELEITORAIS QUE TRANSFORMARAM O BRASIL NUMA OLIGARQUIA SEM ESCRUPULOS, OS NEGÓCIOS PÚBLICOS SÃO GERIDOS POR UMA ‘BRASILIENSE COSA NOSTRA’»
vou alcançar ou talvez cansar de tanta propaganda indecentedenunciando a indecência do que não é decente e nunca o foi
«O PAÍS DO FUTURO JAMAIS CHEGARÁ AQUI SEM QUE HAJA RESPONSABILIDADE SOCIAL PARA COM OS GASTOS PÚBLICOS»
vou acabar por conseguir esquecer este excesso que já cansa mesmo sem fazer nada mais do que ler o que afinal se sabe!?
«JÁ PERDEMOS CAPACIDADE DE NOS INDIGNARMOS, PORÉM PIOR É ACEITARMOS AS COISAS COMO SE TIVESSE QUE SER ASSIM MESMO, ONDE NADA TEM MAIS JEITO MESMO POIS…»vou desculpar a culpa que tenho com a culpa que têm, até ter a desculpa de todos sendo culpados não haver mais culpados
«VALE A PENA TENTAR»
vou meditar sobre a célebre “pedrada no charco” onde havia ondas duma pedra ser atirada e bater na água e desaparecer
«PARTICIPE DESTE ATO DE REPULSA, REPASSE… NÃO SEJAMOS OMISSOS! NA ÉPOCA DO COLLOR A IMPRENSA SE MOVIMENTOUE DEU NO QUE DEU, HOJE A IMPRENSA É REFEM DO GOVERNO,PENDURADA EM IMPOSTOS, ELA NÃO PODE REPETIR A DOSE»
vou aceitar que a Poesia só serve para fazer versos e estes…nem são certificados por nenhuma organização reconhecida!há Povo, “vontade popular”, e quem creia que poesia existe
repasse com Direitos de Autor, dizendo o autor ter citado alguém que pode estar enganado? Peçam então confirmação,digam que fui eu que assinei, o heterónimo do Assim, assinaFrancisco Coimbra
{O cara faz publicidade, deve ser levado a sério, é como eles!Poesia ao poder: o “poder está na rua”, deve ser você a ler!?Registado em Fórum registado: www.sobresites.com você?!
Uma boa noite!BjsF

Dependentes de melhor renda distribuída, 30% da população abaixo da linha de pobreza, dependentes da Educação que incide a precariedade mais que perversa aos mais pobres, dependentes de saúde que não consegue atender com qualidade e dignidade uma grande parte da população, que muitas vezes não tem condições sequer de marcar uma consulta ou quando consegue em muitos casos demora meses para sua efetivação, mas dependentes... Da cega justiça extremamente morosa e de difícil acesso para os mais pobres, aplicando penas aos ladrões de galinha e absolvendo os saqueadores do erário publico, com defensorias públicas ainda bastante insuficientes e com inúmeros privilégios para quem tem dinheiro...
Benjor cantou:
“Moro num país tropical, abençoado por DeusE bonito por natureza, mas que belezaEm fevereiro (em fevereiro) Tem carnaval (tem carnaval)...
Rolf Haak já dizia: Venham para o Rio de Janeiro no CARNAVAL, não tem violência, todos estão solidários nos barracões das escolas de samba. “Povo patriota”, durante a Copa do Mundo, mata e morre nos estádios de futebol. Contando a fábula, que na criação do mundo quando os anjos interpelaram o criador por tanta beleza e fartura colocada no Brasil, o Pai falou: Calma, vocês irão ver o Povo que o habitará... O Brasil se tornou Independente e o povo mais pobre se quer acompanhou ou entendeu o significado da independência. A estrutura agrária continuou a mesma, a escravidão se manteve e a distribuição de renda continuou desigual. A elite agrária, que deu suporte D. Pedro I, foi à camada que mais se beneficiou. E continua se beneficiando, basta rever os sobrenomes que ocupam os quadros do Senado Federal, Congresso Nacional, Governo nas Capitais... Os grandes latifundiários decidindo os destinos da nação, não mudaram nada! “Temo no próximo ano, dia Sete de Setembro dia da Independência do Brasil não nas margens do Ipiranga, mais daqui do Rio Grande do Norte cotovelo do Brasil, na linha do Equador ter que voltar a gritar não como D. Pedro I, independência ou morte, pois o meu povo, já morre de fome e de sede, e sim como brasileira” Acorda Brasil!


Independência, de que????

P essoal, não é lorota o que escrevo!
A atividade política que presumo
T ece o vilipêndio no aparentar coeso;
R azão intrínseca no ser humano:
I ludir as partes, na premissa que vejo
A queles que nos humilha até no sono...

A natureza disfarçada de muitos
M olda os formatos da realidade,
A fetando a memória dos ilusos
D imanando a burrocracia é verdade;
A narquistas, a conduzir os exclusos!

B rava gente, prenhe de mistérios
R eaja a desigualdade que nos assola
A rquitetemos o extermínio dos deletérios
S urrupiadores, que ao Povo doa esmola;
I mpunes das leis, que em seus ministérios
L aminam a espada de Dâmocles!

Deth Haak
“A Poetisa dos Ventos”
Sociedade dos Poetas Vivos e Afins
Consul Poetas del Mundo/RN