domingo, 2 de maio de 2010

O TROVADORESCO - DO POETA ADEMAR MACEDO




<<<>>>
Teus olhos ternos e vagos

– duas pocinhas de encanto

–parecem dois tristes lagos

quando encharcados de pranto!
(Haroldo Werneck/RJ)


<<<>>>
Afastando os atropelos

que o peso do tempo traz,

Deus pintou em meus cabelo

so selo branco da paz.

(José Lucas de Barros/RN)


<<<>>>
2005 > Niterói/RJ
Tema > ENCONTRO > M/H.
Na mesma rua onde os nobres
desfilam pompa e capricho,
se encontram crianças pobres
entre montanhas de lixo.
(Elen de Novais/RJ)


<<<>>>
MURALHA.

– Marize Castro/RN –

Porque me abasteci,

estou de volta.

Trago comigo coisas abandonadas.

Coisas que os homens jogaram fora:

placentas, gânglios, guirlandas, guelras.
Retorno alimentada.


Perigosa.

Mais mar.

Mais aberta.
Hoje descobri que quando estou dormindo

Deus segura minha mão

e a leva para seu rosto.

Para Ele sou mulher e menina.

Para o mundo sou silêncio e desordem.

Lassidão e rumor.
Uma muralha que sempre desejou ser flor.


<<<>>>
Do menor abandonado,
o sofrimento é sem fim;
a dor desse condenado
também dói dentro de mim.
(Ademar Macedo/RN)


...E Suas Trovas Ficaram:
Quando o poeta escrevia,
a rima era tão perfeita
que a mão esquerda tremia
com ciúmes da direita!
(Newton Meyer Azevedo/MG)


<<<>>>
O sol vai morrendo além
deixando marcas na serra
e a asa da noite vem
cobrindo a face da terra,
a floresta silencia,
nenhum passarinho pia
neste quadro sonolento;
só o murmúrio das águas
que propagam suas mágoas
pelos soluços do vento.
(Cancão/PE)


<<<>>>
O TESOURO MAIOR...

– Heloísa Zanconato/MG–

Se Deus me perguntasse: O que tu queres?...
Acaso, por princípios de vaidade,
aspiras a fugaz felicidade
de ser a mais formosa entre as mulheres?

Ou será que a fortuna é o que preferes?
Ter jóias caras... ouro em quantidade
e a mais bonita casa da cidade?...
Eu posso dar-te, filha, o que quiseres!

- Senhor – diria – nada de riqueza...
nem de atributos falsos da beleza
que, ao perecer, não levarei comigo...

Quero, apenas, na dor... ou na alegria
que me concedas, Pai, por companhia
a sincera ternura de um AMIGO!