quarta-feira, 17 de novembro de 2010

O SONETO DO VATE MACEDO

Emocionante e belo, como Macedo escreve bem.
Não poderia deixar de divulgar esse belo soneto do Vate Macedo, o irmão do Ademar.


Domingo de manhã, fui à igreja,

com mamãe, que levou-me pela mão,

inseguro da minha religião,

buscava à cada missa, uma certeza!

De repente, do altar, suprema mesa,

aquela hóstia sagrada cai da mão

do sacerdote, e vem na direção,

até aos pés de mãe, com sutileza.

Ninguém A viu descer, reta, o batente,

e seguir retilínea até a gente,

nem quando mãe fez a auto comunhão.

Quando nossos olhares se cruzaram,

como que de uma luz se iluminaram:

Foi Cristo... Não há outra explicação!...