quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

POEMA DE ADEUS - HOMENAGEM DO POETA FRANCISCO CÂNDIDO PARA FÁTIMA MACEDO

Eu disse adeus (In memorian)

Prof. Cândido, 9/5/2010

Para os que ficaram no mundo eu parti cedo.

Ainda havia o que fazer à sombra do arvoredo,

Mas para Deus aquela era a minha hora,

O começa da minha celestial aurora.

Para o cristão, a morte é uma passagem

E o que crer em Jesus não ficará à margem,

Pois o Pai preparou muitas moradas

Para as almas a Ele consagradas.

Quando parti, nem era manhã...

Lá fora os pássaros ninavam a noite escura.

No hospital, o leito era como um divã

E Jesus o mestre da suprema cura.

Consolada por Ele me senti verdadeiramente cristã.

O vento levava em suas asas meus pensamentos

Na grandeza de tão puros sentimentos.

Em espírito orei a Deus pelos meus:

Guarda-os, Senhor, eles são teus.

No silêncio daquele silêncio

Tudo parecia um prenúncio,

Do anuncio da divina consolação

Que silenciou meu coração.

De repente o canto de um coral

E fui ficando atenta, quietinha...

Tudo em minha volta era muito natural

E segurando na mão de Deus subi mansinha.

E assim eu disse adeus e parti.

Saudades do que ficou no mundo eu não senti.

Experimentei o doce consolo da partida

E a alegria contagiante da chegada.

Sei que ali não haverá mais noite.

Não necessitaremos de lâmpada ou de luz do sol,

Nem o vento produzirá açoite

No céu jamais me sentirei só. (Aleluia!)

No altar de Deus Altíssimo

Derramei todo o meu amor

Diante da glória do Santíssimo

E do brilho de seu resplendor. (Amém!)

*Poema dedicado a Professora Fátima Macedo