sexta-feira, 22 de abril de 2011

AS MENSAGENS POÉTICAS DO POETA ADEMAR MACEDO

<<< Uma Trova Nacional >>>

– Que lição de amor profundo

aos homens legou Jesus,

trocando os sonhos do mundo

por três cravos e uma cruz!

Antônio Juraci Siqueira/PA

<<< Uma Trova Potiguar >>>

Redimindo os pecadores,

conduzindo-os para a luz,

o maior dos sonhadores

morreu pregado na cruz!

Aparício Fernandes/RN

<<< Uma Trova Premiada >>>

2000 > Niterói/RJ

Tema > PARTILHA > M/E

Na terra viveu tão pouco
partilhando amor e luz;
e o mundo descrente e louco,
pôs o próprio Deus na cruz.
Adilson Maia/RJ

<<< Uma Trova de Ademar >>>

Vejo meus próprios pecados

e a dor que Jesus sentia

para sempre retratados

no manto azul de Maria.

Ademar Macedo/RN

<<< ...E Suas Trovas Ficaram >>>

Pureza eu vejo na cruz

onde um cordeiro morreu,

para dar ao mundo a luz

que o mundo não mereceu.

Luiz Rabelo/RN

<<< Simplesmente Poesia >>>

SEXTA-FEIRA SANTA.

Heloisa Crespo/RJ

Toda sexta-feira santa

de tantas outras iguais,

revive-se um sofrimento

de muitos anos atrás:

o Cristo crucificado

sofrendo por nós mortais.

Tão logo ao amanhecer

nos jornais saem em seqüência

as notícias do suplício,

denunciando a existência

da cruz do cotidiano,

da verdadeira vivência.

de sofrimento do povo,

humilhado, com urgência

de paz, de uma vida digna,

com emprego, sem violência,

não buscando mais no lixo

a sua sobrevivência.

<<< Estrofe do Dia >>>

O povo não entendia

Cristo ali crucificado.

Pilatos lavando as mãos

no seu ato acovardado,

encheu o mundo de luz,

crucificando Jesus

pra nos livrar do pecado.

Ademar Macedo/RN

<<< Soneto do Dia >>>

A C R U Z.

Diniz Vitorino/PB

Nunca quis carregar, de alguma forma,

a tantálica cruz da dor que aflige,

mas a lei de Deus pai não foge à norma;

a sentença é lavrada, o tempo exige.

Sofre o corpo, o espírito se conforma,

o amor para o calvário me dirige.

O tormento é brutal, mas não transforma

filho pródigo algum que Deus corrige.

Mas, se o próprio Messias foi no horto

coroado de espinhos, preso e morto,

tendo vindo dos céus pra nos amar,

se eu, tão frágil, morrer como Jesus

pregar cada pecado numa cruz,

dez mil cruzes não dão pra me matar!