domingo, 10 de abril de 2011

CNE ADIA VOTAÇÃO SOBRE MUDANÇAS NO ENSINO MÉDIO





Republico matéria do portal G1, 06/04/2011



O Conselho Nacional de Educação (CNE) retirou da pauta da reunião desta quarta-feira (6) a votação sobre possíveis mudanças nas diretrizes do ensino médio. Os conselheiros pretendem analisar melhor o tema e analisar também as diretrizes da educação profissional técnica em nível médio.



Com o adiamento, o relator José Fernandes de Lima espera aproveitar o prazo estendido para aprofundar o debate, segundo o CNE.



O projeto prevê que cada escola trabalhe a partir de quatro áreas de atuação - ciência, tecnologia, cultura e trabalho. A partir da escolha da vocação, monta-se a carga horária, com as escolas adequando as disciplinas de acordo com o seu interesse. Uma escola focada em cultura, por exemplo, pode dar mais espaço às disciplinas de história e geografia, sem deixar de lado outras matérias, como língua portuguesa e matemática.



Segundo o conselheiro Cesar Callegari, no caso do ensino médio, está em discussão um conjunto de orientações sobre vários aspectos, como tipo de currículo, pesquisa como fator fundamental para estímulo dos estudos, organização da escola, Educação de Jovens e Adultos (EJA), entre outras questões. A proposta prevê ainda autonomia para as escolas definirem as disciplinas com mais espaço na grade curricular.



No caso do ensino noturno, o conselho propõe que os estudos possam se organizar de acordo com necessidades dos estudantes em período maior do que três anos. "Muitos deles acabam não tendo condições de frequentar, por trabalharem, deixando clara a possibilidade que o ensino médio seja organizado em número maior de três anos com a mesma carga horária, para diminuir a evasão", afirmou Callegar


Nos próximos meses, segundo o conselheiro, o CNE discutirá as expectativas de aprendizagem do ensino fundamental. Está prevista para o início do ano que vem, a discussão de orientações mais específicas sobre expectativas de aprendizagem também para o ensino médio. "Com base numa mensagem do MEC, que mandará até final do ano, vamos dispor sobre expectativas de aprendizagem, que devem ser asseguradas a todos jovens brasileiros".

fonte: www.janeayresouto.com