terça-feira, 3 de maio de 2011

ENSINO MÉDIO É REPENSADO.






Republico matéria do site do Correio do Povo (RS), 30/04/2011



A necessidade de ter mais tempo para avaliar as novas diretrizes do Ensino Médio no país fez o CNE prorrogar a votação das propostas para o mês de maio



A necessidade de ter mais tempo para avaliar as novas diretrizes do Ensino Médio no país fez o Conselho Nacional de Educação (CNE) prorrogar a votação das propostas para o mês de maio. A partir das mudanças sugeridas, as escolas deverão ter mais autonomia para definir as disciplinas e mais espaço na grade curricular.



Com o adiamento, os conselheiros esperam aproveitar o prazo estendido para esclarecer pontos em discussão, coletar mais contribuições e aprofundar o tema.De acordo com o relator do documento, José Fernandes de Lima, os debates sobre alterações no Ensino Médio do país estão sendo positivos e aperfeiçoados. O parecer possui 46 páginas.



O projeto prevê que cada escola trace o seu plano de trabalho, a partir de quatro áreas: ciência, tecnologia, cultura e trabalho. Após a escolha da vocação, a escola monta a carga horária, adequando as disciplinas, conforme o interesse e a linha de trabalho.



Uma escola focada em cultura, por exemplo, pode dar mais espaço às disciplinas de História e Geografia, sem abandonar matérias como Matemática e Português. E uma aula de Língua Portuguesa pode ganhar diferentes contornos, dependendo do local.



Nas escolas voltadas à cultura, é possível aprofundar o estudo em manifestações literárias. Já aquelas com ênfase em ciência, podem tratar de textos científicos. O objetivo é valorizar o projeto político-pedagógico, tornando-o mais atraente e aproximando-o da experiência de vida do aluno.



Outra possibilidade é a ampliação da duração do Ensino Médio noturno. O aluno que estuda à noite poderia ficar de um semestre até um ano a mais na escola, o que facilitaria a vida daqueles que vão para as aulas após o trabalho e, muitas vezes, chegam atrasados. A esse grupo, cogita-se também a possibilidade de terem aulas não presenciais.



Dados do último Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), de 2009, mostram que estudantes do Ensino Médio estão estagnados no desconhecimento. Eles receberam nota 3,6, em uma escala de 0 a 10, sendo apenas 0,1 superior à nota obtida em 2007. As novas diretrizes seguirão para homologação do ministro da Educação, Fernando Haddad, após o aval do CNE.

fonte:janesouto.com