quarta-feira, 2 de novembro de 2011

A EXPRESSÃO LITERÁRIA DA PUBLICITÁRIA JULIANA SARMENTO.


Há exatamente um ano atrás, escrevi neste blog sobre a morte, e hoje, Dia de Finados, impossível não pensar nela, mas minha proposta hoje é diferente, naturalmente que sempre pensamos nos entes queridos que já se foram, na saudade que deixaram, mas pouco se reflete sobre a própria vida e tudo o que ela representa.
Neste dia, que para muitos é doloroso, pois sei muito bem como é, principalmente nos primeiros dias de perda, os que já perderam pessoas amadas, sabe muito bem do que estou falando, me recordo de quando um tio meu, muito querido, faleceu, eu sofri desde o momento de sua internação, chorava copiosamente, e ouvi de amigas que não sabiam o que eu estava sentindo, pois não tinham uma relação tão forte com familiares.
Fato um tanto lamentável, na minha humilde opinião, claro! As pessoas vivem um mundinho tão particular, e acabam por esquecer tantas pessoas na vida, quando alguém se vai, que seja um tio, ou vai passar um filme de bons momentos em sua mente ou nada terá neste longa, e isto depende muito de cada um de nós.
Escolher com quem queremos conviver e ter momentos marcantes, só depende de nós. Não adianta lamentar, quando a morte chegar, que não aproveitamos a pessoa que se foi que deveríamos ter ligado mais pra ela, feito mais visitas, não deveria ter se afastado tanto depois do casamento, e não adianta dizer que tudo é culpa de uma rotina muito ‘louca’ que temos nesta vida tão agitada.
Acredito que um dos maiores erros do ser humano, é acreditar que as pessoas são como livros ou bibelôs na estante, que ficam ali, acumulando poeira e que mexemos no dia da limpeza, achando que estamos ali, sempre dispostos, e que depois ligamos, depois vamos visitá-los e este depois, depois acaba sendo tarde demais. Mesmo os livros o objetos se perdem, quando emprestado livros para pessoas que não os devolvem, quando o bibelô de porcelana escorrega das nossas mãos e se despedaça no chão.
Minha proposta aqui é outra, viva! Aproveite cada momento da sua vida ao lado de quem ama principalmente os familiares, pois estes são parte de nós, é nossa identidade, sem muito deles, nossa história seria diferente, infelizmente, quando perdemos tudo isso, é que notamos o quanto tudo poderia ter sido diferente, e ainda há tempo para fazer tudo ser diferente, ser melhor, mais harmonioso...
Bem ou mal, quando formos dessa para melhor, só nos restarão as lembranças de bons momentos.
Transcrevo aqui, uma frase muito bonita que encontrei do Monsenhor Arnaldo Beltrami, ao definir este dia de finados:
“O Dia de Finados é o dia da celebração da vida eterna das pessoas queridas que já faleceram. É o Dia do Amor, porque amar é sentir que o outro não morrerá nunca.
É celebrar essa vida eterna que não vai terminar nunca. Pois, a vida cristã é viver em comunhão íntima com Deus, agora e para sempre.”
Nossos entes queridos ainda vivem dentro de nós, os bons momentos ficaram guardados, portanto, aproveite e viva agora!!!

E você, o que pensa sobre o Dia de Finados?

Concordo contigo bela Ju, por isso postei.
por e-mail.