segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

A EXPRESSÃO POÉTICA DE CIRO JOSÉ TAVARES - BRASILIA/DF



TRISTE CANTIGA

Ave solitária enfeitiçada por Selene.



Eu pedi que viesses adejar ao meu redor,



entregar-se a mim,



integrar meu corpo para juntos voarmos cantando o amor acobertados



por esse límpido e infinito azul.
No entanto, preferiste a simplicidade da esquálida gaiola,
o olhar triste do passarinheiro, o cenário sem luz da casa humilde.
Eu queria te vestir de nuvens, fazer do vento cordas
de harpas para acompanhar tuas cantigas.
Tenho pena de ti ave,



enclausurada na pequena jaula de madeira,

suspensa no caibro tosco da morada,

onde noite e dia são iguais,
a solidão é sempre e nada saberás de amor.