domingo, 1 de abril de 2012

ASSEMBLEIAS DO SINTE/RN PARA QUE SERVE?

“Foram os gregos que descobriram não apenas a democracia, mas também a política – a arte de decidir através da discussão pública – e, então, de obedecer às decisões como condição necessária da existência social civilizada.” disse o historiador Moses I. Finley.

“…obedecer ás decisões como condição necessária da existência social civilizada.” , destaco.

Não seria exatamente esse o principio vital ora ignorado pelos professores quando ao sair de uma Assembleia que delibera determinado encaminhamento ou posição, dirigem-se para as suas escolas para decisões particulares, ignorando totalmente a supremacia deste órgão constituído pela sua classe?

Nesse caso, o que representa realmente a assembleia para nós professores? Qual o sentido de consulta-la ou de submeter ao voto as decisões da nossa categoria?

Parece-me que muitos professores participam da reunião apenas para constatar se as suas ideias particulares serão acatadas. Caso a Assembleia não referende os seus pensamentos, as decisões tomadas na mesma são totalmente ignoradas.

Sabemos que em se tratando de Sindicato, a Assembleia não tem um poder normativo, ou seja, não pode alterar ou criar uma lei. Todavia, o seu caráter de representação da vontade soberana de uma classe imprime uma força de persuasão capaz de forçar alterações nas decisões tomadas pelos governos e nas próprias leis constituídas.

Assembleia Geral, segundo significado dado pela wikipedia, é o “órgão supremo que decide sobre as políticas a seguir”.
E aí…? Assembleia para que? O que acontece quando abrirmos mão totalmente desse recurso democrático?

Nesses passos, desrespeitando as deliberações da Assembleia, estamos caminhando conforme o ditado: “cada um por si e Deus por todos” e o enfraquecimento total da nossa classe é um resultado é iminente.

fonte: www.janearyesouto.com.br