quarta-feira, 11 de abril de 2012

A EXPRESSÃO POÉTICA DE GILMAR LEITE - POETA PERNAMBUCANO

        Jardim Interior

No meu peito palpitam serenatas
Dos concrizes cantando alvoradas,
Sabiás entoando as mil sonatas
Das serenas canções sofisticadas.

Beija-flores habitam meus sentidos
Procurando os sabores da existência,
Descobrindo no meu peito a essência
No jardim dos delírios coloridos.

Os orvalhos das lindas madrugadas
São correntes no oculto do meu ser,
Dando banhos com toques de prazer
Com gotículas divinas, delicadas.

Um pequeno e saudoso rouxinol
Entre as brechas secretas do meu peito
Canta alegre, feliz e satisfeito,
No primeiro clarão do dourado sol.

As abelhas sutis do coração
Buscam o néctar floral do ser poeta
Agitando o sentir da alma inquieta
Na divina colméia da emoção.

0s canários cantantes do sensível
Fazem pousos nos galhos do viver,
Pra cantar no meu peito o alvorecer
Da expressão que me faz perceptível.

Lindas flores de pétalas perfumadas
Desabrocham botões de cor amena,
Despertando no peito uma açucena
Seduzindo as borboletas douradas.

Pirilampos com lâmpadas na mão
Fazem pousos nos galhos do sentir,
Despertando no ser todo um luzir
Que me cobre de terna sensação.

O perfume das flores mais sutis
Deixe o aroma no corpo sensitivo,
Onde sinto meu coração mais vivo
Entre os beijos dos lindos colibris.

No meu corpo um jardim interior
Mostra a vida na cor da poesia,
Onde a luz do sensível me estesia
Revelando do peito o meu fulgor.

                                      Gilmar Leite