sexta-feira, 1 de junho de 2012

HOJE ANIVERSÁRIO DE EDUARDO GOSSON - PALAVRAS DE ENCANTAMENTO E ATENÇÃO DA ESCRITORA LÚCIA HELENA

 NA PRÓXIMA SEXTA, 01-06-2012, EDUARDO ANTONIO GOSSON COMPLETA 53 ANOS EM PLENO DIA DA MISSA DE 7° DIA POR SEU FILHO FAUSTO, ÀS 18: 30, NO CONVENTO SANTO ANTONIO.. 




DR. EDUARDO ANTONIO GOSSON

Desde que fui admitida na UBE/RN (União Brasileira de Escritores do Rio Grande do Norte), logo nutri grande admiração pelo seu Presidente - Dr. Eduardo Antonio Gosson.

Homem pacato, de atitudes muito honestas, bom esposo, excelente pai e avô dedicado.

Acompanhei sua ética em relação aos seus filhos gêmeos: Thiago e Fausto (in memória), no dia-a-dia e nos momentos de apreensão onde não faltava o bom diálogo, naquelas circunstâncias preocupantes diante do maldito vicio a que se entregaram, desde o começo de suas juventudes.

E Eduardo jamais transferia os seus múltiplos problemas para ninguém, agia normalmente, com muita calma, sublimando as agruras da vida.

Jamais se queixava dessa dor que tanto mutilava sua alma. Recebia as "pancadas" da vida com uma paz infinita, como se a mão de Deus regesse seus atos e uma água pura curasse suas feridas. 

No domingo, 20 de maio, a 1:45 da madrugada, Eduardo telefonou-me do Hospital Walfredo Gurgel. Estava angustiadíssimo, mas, de voz baixa e palavras amenas. Para lá seus filhos gêmeos foram levados muito doentes, após uma overdose. Ele só queria falar com alguém de sua mais ilibada confiança, e falava calmamente.

No dia seguinte, o filho Fausto, acometido de uma parada cardíaca, foi transferido para a UTI do PAPI. Ali começou o calvário do pai e do filho, este, que chegou a dizer: "papai, eu queria dormir para sempre". E esse pai sentiu a dor do filho nessas palavras e ali permaneceu como podia, pelos corredores, sentado em cadeiras, olhando o filho nas horas de visitas.

Finalmente, no sábado passado, 26 de maio, às nove horas da manhã, seu filho morreu, como havia desejado, após longos anos de sofrimento pelo cruel vício.

Só pudemos velar o seu corpo após às 20 horas, no Centro de Velório da Rua São José, onde familiares, amigos, escritores da UBE e de outras entidades lá estiveram.

Mas, para mim, pessoalmente, não conseguirei esquecer o olhar daquele pai diante do filho morto. Não poderei esquecer o quanto Eduardo Gosson queria cantar a oração de São Francisco de Assis, mal conseguindo forças para ficar de pé. Foi ali que eu escrevi em minha mente e no meu coração, a canção de ninar Fausto Gosson, publicada neste blog.

Deus lhe recompense homem bom, decente, fiel aos seus princípios morais, religiosos, éticos e sociais.
Deus lhe dê muitos anos de vida! Você é uma lição!

Lúcia Helena Pereira - membro da UBE/RN