domingo, 24 de junho de 2012

A VOZ POÉTICA DE MANOEL MACEDO XAVIER - CORDELISTA E REPENTISTA - IN MEMORIAN



  • Eu nasci no sertão nordestino


    Eu nasci no sertão nordestino
    Onde o pobre não vive vegeta
    Ainda eu muito menino
    Na minha alma senti ser poeta
    Um amigo deu-me uma viola
    Percorri norte sul leste oeste
    Cantando a vida sofrida (bis)
    De quem nasce no sertão do nordeste

    Arrisquei minha vida e saúde
    Para ver o meu lar glorioso
    Ganhar muito dinheiro não pude
    Mais provei ser um pai bom esposo
    Há uns anos lavrei terra alheia
    Paguei meia dei tudo ao patrão
    Porém graças a Deus e a meus versos (bis)
    Libertei-me da escravidão

    O patrão não me deu privilégios
    Resolvi a morar na cidade
    Pra meus filhos consegui colégio
    Ginásio e até faculdade
    Josias formou-se em direito
    Há conceito progresso harmonia
    Glória a Deus lá no alto dos céus (bis)
    Do sagrado dom da minha poesia

    Agradeço a Deus pai clemente
    Que me fez um rapaz de virtude
    Oito filhos me deu de presente
    por meus filhos eu fiz o que pude
    minha esposa também agradeço
    Alto preço de todas as horas
    Minha família honrai o lar sagrado (bis)
    Meu muito obrigado, filhos genros e noras

    Sempre humilde cumpri meu dever
    Recordando quem fui no passado
    Com prudência procurei viver
    Conduzindo o maneiro e o pesado
    Saúde em mim pouco existe
    Fico triste cantando ai ai
    Recordando a passagem dos anos (bis)
    Quando eu tinha mamãe e papai.

    Goiânia 26 de setembro de 1998

    Este poema foi escrito no ano de 1998 em Goiânia/Goiás
    Em memória e homenagem ao meu saudoso pai Manoel Macedo.
    Manoel Macedo Xavier é meu poeta cordelista, Patrono na  Academia de Literatura de Cordel do RN, também poeta repentista, o mesmo fazia dupla com meu pai, o saudoso José Milanez.  É meu tio materno, e nós o chamamos carinhosamente de Tio Ninô.