sábado, 14 de julho de 2012

AS MENSAGENS POÉTICAS DO ADEMAR MACEDO - SANTANA DO MATOS/RN

 
<<< Uma Trova de Ademar >>>
Inimigo do trabalho,
é meu primo, o “Paraíba;”
seu emprego é no baralho:
buraco, truco e biriba.
Ademar Macedo/RN
 
<<< Uma Trova Nacional >>>
Maria anda bem vestida.
Dizem que faz quase nada.
Tem roupas caras... que vida!
Mas só trabalha pelada.
Nilton Manoel/SP
 
<<< Uma Trova Potiguar >>>
Maroquinha, o teu gingado
está dando o que falar!
Talvez não seja pecado,
mas faz a gente pecar!
José Lucas de Barros/RN
 
<<< Uma Trova Premiada >>>
2009 > Nova Friburgo/RJ
Tema > CINQUENTÃO > 2º Lugar
Na sinuca, ela afobada
num jogo de sedução,
acertou uma tacada
no taco do cinquentão !
Adilson Maia/RJ
<<< ...E Suas Trovas Ficaram >>>
Há três coisas que a mulher
consegue fazer de um nada:
uma intriguinha qualquer, 
um chapéu e uma salada!...
Carolina A. de Castro/PE
 
<<<  U m a    P o e s i a  >>>
M O T E : Ademar Macedo/RN
Fiz a “pergunta” ao espelho
que para não me ofender
disfarçou, ficou vermelho,
e não quis me responder!
 
G L O S A : Lisieux/MG
Fiz a “pergunta” ao espelho
"existe mulher mais bela?
Dá-me aqui o teu conselho:
posso atuar na novela?"
 
O espelho, eu imagino 
que para não me ofender
buscou com cuidado e tino
uma forma de dizer...
 
E, coitadinho do espelho!
Fez rodeio, embaraçou-se,
disfarçou, ficou vermelho,
engoliu seco, engasgou-se.
 
Sem poder dizer-me tudo
e por mentir não saber,
ficou cego, surdo, mudo,
e não quis me responder!
 
<<< Soneto do Dia >>>
BENEDITO SALGADO.
 
                          –Joinvile Barcelos/RS
 
Vai às aulas e às feiras, lê, patina,
namora, odeia os militares. Tersos
os seus sonetos, nos jornais dispersos,
João dos Anzóis "pomposamente" assina.
 
Ama o truco, o bilhar, jogos diversos.
Ah! Viver no "xadrez" (que bela sina!!),
tendo ao lado uma cândida menina,
bons patins, bons autores e bons versos.
 
Vive alheio aos jurídicos assuntos.
Provas de exame nós "colamos" juntos,
eis por que ainda não levamos pau.
 
Prega aos calouros tímidos na Escola:
“não tenham medo, aqui tudo se cola”,
“Cola-se” até solenemente — “o grau!"