domingo, 12 de agosto de 2012

DIA DOS PAIS - SONETO DE GILMAR LEITE - POETA PERNAMBUCANO

                 Dia dos Pais

Faz tempo que meu pai partiu da terra
E deixou aqui o círio da saudade,
A lembrança o meu coração invade
E arrebenta o sentir que não encerra.

No meu peito, a sua visão desterra,
Que germina a flor da paternidade;
E na minha alma o ocaso da orfandade
Se faz como o sol quando deixa a serra.

A presença carnal não existe mais,
O seu semblante no meu peito faz
Retornar ao meu mundo de criança.

Hoje, nesse mensal, doze de agosto,
A saudade desperta e invade o rosto,
E derrama os orvalhos da lembrança.

                                         Gilmar Leite, hoje reside em Natal/RN