segunda-feira, 3 de junho de 2013

A VOZ POETICA DE JOSE DELFINO - NATAL/RN

Corte

Não fez difícil o partir
não topou na pedra
ao dobrar a esquina
nem o fácil no andar
que embalava o meu sonho
o ruído do passo a apagar
nas marcas do chão o silêncio

partiu ela a linha o elo
que a cada instante acaba
e em tudo termina
num rio de tempo vindo do mar
de volta à fonte ao eterno
hoje à tarde

em fios rotos que se prendem em nós
em nódoas de dor em nós capaz
a qualquer hora em qualquer cor
da noite em branco ao dia em breu
parar no presente o futuro e o ontem
o que agora é meu.