sábado, 21 de dezembro de 2013

NATAL SEM FAUSTO GOSSON - UM AMOR INFINITO!


FAUSTO E SEU PAI EDUARDO GOSSON
NATAL SEM FAUSTO GOSSON
 Por Eduardo Gosson 

 Natal é tradicionalmente o mês da família e das crianças, simbolizado no Menino Jesus. Este Natal será o mais melancólico da minha vida: no meu presépio falta um menino bom - Fausto - que partiu aos vinte oito anos, vítima de uma sociedade que está perdendo a guerra para as drogas (recentemente aqui bem perto, no Uruguai, o governo liberou o uso da maconha). Abrem-se as portas para o império do Mal. Em nome de uma pretensa liberdade total, proclama-se a legalização como forma de controle das atividades criminosas. Esquecem esses falsos intelectuais que nunca leram um Graciliano Ramos: “liberdade total não existe: começa-se preso pela sintaxe e muitas vezes termina-se numa Delegacia de Ordem Política Social – DOPS”. O Brasil não fez ainda o dever de casa: saúde, educação e segurança pública. Nada funciona neste país. Ao ver na comitiva presidencial que foi ao enterro de Nelson Mandela, Sarney, Collor, Fernando Henrique e Lula conclui-se que é tudo farinha do mesmo saco. Qual é o governo que compensará a solidão de um pai na Noite de Natal?

É POETA.