quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

O RN TEM PROPOSTA PIONEIRA DE ENSINO MEDIO NOTURNO



O que é o ensino noturno diferenciado.
 É uma proposta curricular com identidade própria, pioneira no Brasil e que contempla as especificidades do trabalhador estudante na  busca por uma educação que possibilite a permanência do estudante na escola, assim como o seu desenvolvimento e a sua formação para a vida e, para o trabalho. A proposta enfatiza a reformulação curricular para este turno de ensino, com foco nas peculiaridades dos estudantes do turno noturno, conforme previsto no Art. 4º, inciso VI da LDB nº 9.394/96 que assegura como dever do Estado a “oferta de ensino noturno regular, adequado às condições do educando”.
O DIFERENCIAL DA PROPOSTA:
Organização Curricular
. Blocos semestrais;
. Carga horária do curso – 2.400h – 1.800h de atividades presenciais – Base Legal – obrigatória + 600h de atividades vivenciais ofertadas por meio de um projeto interdisciplinar.
.  Aula em bloco por área de conhecimento;
.  02 tempos de 90 minutos correspondente a 04 aulas de 45 minutos (ex. 2 aulas de Biologia e 02 aulas de Química);
.  Carga horária anual: 800 horas (200 dias x 3 horas = 600 horas presenciais + 200 horas de atividades complementares).
.  Formação continuada para os professores;
.  Desenvolvimento de projeto interdisciplinar para Mostra Científica ao final de cada semestre.
 
As Orientações Curriculares para o Ensino Médio Noturno Diferenciado (EMND) tem a pesquisa como princípio pedagógico com ênfase na iniciação científica e pesquisa, na leitura, no letramento e na cultura digital de forma articulada, além de incluir a interdisciplinaridade e a contextualização como possibilidades para integrar as áreas de conhecimento, e, assim, promover o ensino-aprendizagem dos educandos. Esta interrelação deve considerar o planejamento pedagógico com as perspectivas de forma a integrar os professores em cada bloco e áreas de conhecimento, e, também ter neste currículo o trabalho como princípio educativo articulando-se as atividades propostas. A oferta das atividades e aulas complementares/integradoras, desenvolvidos em momentos vivenciais deve estimular a responsabilidade, o senso crítico e autonomia do estudante, destacando que, toda ação metodológica desenvolvida na escola deve ter como princípio básico o diagnóstico do perfil do trabalhador estudante para com isso, superar desafios e garantir a produção do conhecimento e  transformação social.

A ideia nasceu  em 2006, foi implantado em 11 escolas em 2007. A partir de 2010 houve a expansão para 35, 2012 para mais 35 e 2014 para toda a rede. O RN serviu de referencia para o Estado do Paraná, Ceará e ainda recebeu a visita de técnicos do Rio Janeiro, para conhecer a proposta.

As dificuldades enfrentadas pelo ensino noturno são:

. Acesso e permanência e o direito à aprendizagem
. Ampliar o acesso da faixa etária acima de 18 anos com a garantia das mesmas condições do diurno.
. Ampliar ações de superação da distorção idade-série.
. Consolidar a identidade e a organização curricular desta etapa educacional.

Números do ensino  noturno no Estado em  2013 -  Cerca de 87.278 e uma evasão de 17,3%.

Fonte: SEEC/SUEM