segunda-feira, 3 de março de 2014

DRA. TANIAMÁ CONVIDA






DISCURSO PROFERIDO QUANDO DO LANÇAMENTO DOS LIVROS[1]
09 de janeiro de 2014
AFLAM, Biblioteca Municipal e Fundação Vingt-Un Rosado
Local – biblioteca municipal
Profa Dra  Taniamá Vieira da Silva Barreto[2]
Boa noite!
Digníssimas autoridades: reconheçam-se todas nominadas e agraciadas; pois me sinto por demais honradas em tê-las neste momento histórico da minha vida.
Senhoras e Senhores: Numa legítima pretensão, não de homogenizar, mas de perceber o homem holístico, independente da sua posição na escala hierárquica da estrutura social, quero cumprimentar todos e todas de forma carinhosa e com os meus especiais agradecimentos, pela sua presença e seu compromisso com a cultura.
Parafraseando o provérbio chinês sobre a persistência[3]: A gota d’água, paciente e repetitiva, bate, pinga, cai e, na persistência, vence o mais forte.
É, companheiros e companheiras! Frente a repetição do frágil, o mais forte torna-se fraco.
Refiro-me ao frágil da ideia preliminar do Projeto que deu origem a estes dois livros.
E é justamente na fraqueza, mas, na plenitude da fortaleza que esse momento representa para mim, a transformação da frágil semente das ideias temáticas, na consistente fortaleza dos argumentos construídos em torno e sobre as teses, as antíteses e as sínteses aqui apresentadas e socializadas.
Sim, meus amigos, nestes livros estão as sínteses das significações e ressignificações de três frágeis; mas fortes ideias.
Ideias que assumi o desafio de transformá-las, coletivamente, com Ivanilza Nascimento, Marta Noberto e Socorro Gurgel, em um criativo e ousado projeto de produção e sistematização do conhecimento da área das Ciências da Religião.
Foram horas, dias e meses a fio na incansável e difícil missão de construir, a partir da frieza do conhecimento científico e metodológico, a face sensível da espiritualidade sagrada e do imaginário da leitura de temas do Ensino Religioso a saga de uma legendária Pedagogia que desafia e é desafiada a romper as barreiras da disciplina para alcançar a multidisciplinaridade e a transdisciplinaridade da vida, do amor, da natureza e do ser em seu significado mais amplo, que é a Sagrada Pedagogia de Jesus.
Eis, meus amigos, o motivo da mistura de emoções que me invade neste momento, pela certeza do dever cumprido!
O tamanho da minha emoção parece ser em MAIOR proporção do que aquela que senti em 1982 quando publicava o meu primeiro livro de poesias: Contemplando os Céus.
 A emoção é mais intensa porque o nível de consciência é maior, por vários motivos:
Primeiro, por saber que é na minha família, por ela e para ela que a produção do conhecimento que produzo acontece.
O Segundo motivo, porque tenho na Academia Feminina de Letras e Artes (AFLAM) o compromisso com a minha imortalidade;
E o Terceiro, porque a ação coletiva desenvolvida durante a produção deste conhecimento ultrapassa o compromisso científico e técnico de uma orientadora com suas alunas, pois ela está comprometida com a fidedignidade da nossa cultura, da nossa prática religiosa e da nossa condição de sermos integrantes de um grupo de leitores sociais, com os pés fincados em um município, o de Mossoró, mas com o olhar na amplidão da dinâmica que é este nosso Estado, nosso País e o Mundo em que vivemos.
 Quando afirmo que estes livros são fruto de uma ação coletiva não é só porque foi escrito por quatro pessoas; mas sim, por eles significarem o resultado de um processo de trabalho especificamente ímpar.
Ao receber na minha casa estas 03 professoras solicitando a minha orientação para as dissertações do seu curso de mestrado, de pronto percebi o curto tempo para realizarmos as pesquisas e a fragilidade metodológica da grade curricular do citado curso, provocando nelas também esta característica.
Eis o grande desafio assumido: montamos um cronograma não só de orientação, mas de trabalho coletivo e de divisão de tarefas, em que orientandas e orientadora tinham os mesmos compromissos de produção de textos, por assuntos.
Nesse cronograma tinha as seguintes especificidades:
a)    Momentos de orientação coletiva orientadora e todas as orientandas, quando tratávamos de assuntos formativos sobre: metodologia, teologia, filosofia e redação e estilo na produção científica, bem como a avaliação dos trabalhos como um todo;
b)    Momentos de Produção independente em que cada uma, considerando suas habilidades, potencialidades e possiblidades produziam determinados textos temáticos que seriam discutidos e revisados com a orientadora, no caso a minha pessoa. Impõe esclarecer que os capítulos das metodologias, das Introduções, da tabulação e representação dos resultados da pesquisa empírica e da bibliografia ficaram sob minha competência;
c)     Momentos de orientações individuais em que orientadora / orientanda analisavam o que havia sido produzido e ressignificavam os conteúdos temáticos, inclusive, com a revisão linguística.
Eis o real sentido da partilha na produção do conhecimento e a efetividade do processo de trabalho, que agudizam a minha emoção por termos conseguido construir um conhecimento de tão magnitude, vez que todos os temas foram recomendados para publicação.
Desta minha experiência 03 outros livros estão em fase de construção e ressignificação, que serão lançados até o final de 2014.
Enfim, quero dizer que Pensar, Refletir e Escrever sobre a Teologia, a Pedagogia, o Ensino Religioso e o Sagrado de forma coletiva exigem uma aguçada sensibilidade e um imaginário que deem voo à criatividade sensível sobre o Transcendente. Significa ser cristão sensível e aberto ao pensamento do outro com respeito, sabendo colocar na letra a subjetividade da realidade, que se alicerça no vazio da ideia e na materialidade do significado da vida, da ciência, da cultura e da arte.
Então, obrigada minhas crianças grandes (Ivanilza, Marta e Socorro) por me proporcionarem tão preciosos momentos;
Obrigada ex-alunos e amigos por terem direta ou indiretamente, contribuído para o meu crescimento de ser e estar aqui.
Obrigada meus familiares que têm sido exemplo de oração e partilha, vivendo comigo a ação missionária, no terço e no ofício de Nossa Senhora a coluna de sustentação para sermos família e igreja doméstica.
Obrigada a você que me fez refletir e aprender a filtrar o que é significativo para o meu crescimento e a minha sintonia com Deus. Aliás, está escrito em Eclesiastes, capítulo 7, versículo 5: "Melhor é ouvir a repreensão do sábio do que ouvir a canção do insensato" ; pois, a repreensão do sábio nos faz crescer e entender o significado da vida.
Que a Pedagogia de Jesus nos faça entender o Sagrado nas nossas vidas, como caminho para assumirmos nosso projeto de responsabilidade social cristã!
Obrigada!


[1] POESIA E BÍBLIA: INFLUENCIA DO SAGRADO NA POESIA DE ANTONIO FRANCISCO – Profa. Msc. Maria do Socorro de Albuquerque Gurgel e Dra Taniamá Vieira da Silva Barreto
A LEITURA E O ENSINO RELIGIOSO: DIALOGANDO COM A PEDAGOGIA DE JESUS - Profa. Msc. Ivanilza Silva do Nascimento, Profa. Msc. Marta Noberto de Souza Aquino de Medeiros e Profa. Dra. Taniamá Vieira da Silva Barreto
[2] Escritora, Poetisa e Pesquisadora. Vice-Presidente da AFLAM. Autora de 05 livros e vários artigos científicos. Integrante do Conselho Editorial da Aflam em Revista, Consultora da Revista RENE, Co-autora da letra do Hino da AFLAM. Detentora dos títulos: Cidadã Mossoroense; Mérito na Saúde de Mossoró, Presidente da Associação Brasileira de Enfermagem (ABEN), Fundadora e Presidente da Associação Francisca Viana de Messias (AFVM), Membro da comissão Organizadora da 1ª Semana Cultural de Mossoró e Mérito UERN. Doutora e Mestra em Enfermagem e Especialista em Educação Profissional na Área de Saúde pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É Professora Titular aposentada pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN).
[3] A persistência realiza o impossível.