quinta-feira, 14 de agosto de 2014

A VOZ POÉTICA DO ROBERTO PINHEIRO ACRUCHE - RIO DE JANEIRO/RJ

RITA
Rita,
Você era tão bonita...
De uma beleza sem igual.
Eu, como tal,
encantado com a sua silhueta
retratava na memória
você vestida de azul...
De um azul que cintilava
como o céu na sua mais fascinante imagem.
Lembro-me ainda de quanta bobagem,
o tempo que desperdicei
por não ter coragem
de revelar pra você a minha fascinação.
Não mereço perdão!
Devia castigar-me
por ter sido tão covarde.
Talvez fosse a idade,
talvez a timidez,
só sei que a perdi de vez.
Perdi você Rita, que era tão bonita,
para alguém que sequer merecia o seu olhar.
E você olhou,
apaixonou-se,
entregou-se,
e se acabou na desventura
acreditando naquela criatura
que não soube amá-la,
não soube respeitá-la,
acabando por entregá-la
ao desgraçado mundo da desilusão.
Dói-me o coração
ao vê-la tão descuidada
desiludida, acabada, desfigurada,
como não existisse mais nada...
Ou razão pra viver.
Ah! Rita, você era tão bonita...


                                                            Roberto Pinheiro Acruche
Presidente da Academia Pedralva de Letras