quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

IMPRUDÊNCIA OU DISPLICÊNCIA




Sofia Assunção*

        Há situações na vida que somos levados a fazer reflexão, aqui vou tratar de um tema, que tem perturbado minha mente, vou falar de imprudência ou será mesmo displicência?  Esse tema intrigante que merece nossa atenção à abordagem das regras de trânsito, e assim dizer, falar de vidas? Isso faz por bem merecer.
        No transito não se deve brincar, e sim prestar bem atenção. Pois bem meus amigos e amigas, até as crianças da educação infantil, já aprenderam o que é correto e o que não e correto no trânsito, e por que o adulto que dirige irresponsavelmente pelas ruas da nossa Capital não colocam em prática essa aprendizagem? Por causa de atos de imprudência e displicência, vidas acabam sendo ceifadas.
        Displicência e imprudência, duas palavras que podem mudar destinos.
       Para não pairar nenhuma dúvida e deixar você leitor amigo, consciente do que significam essas duas palavrinhas eu vou recorrer ao nosso amigo filólogo Aurélio Buarque de Holanda, sim esse mesmo que e nosso amigo por demais, pois ele é quem nos socorre quando estamos precisamos descobrir os significados de palavras. Aurélio vem dizer, que o significado das duas tintas palavrinhas ou seriam senhoritas aliadas?
       Assim dentre outras coisas, displicência significa desleixo nas maneiras, no vestir no proceder, pessoas que não estão nem ai para o que possa acontecer de bom ou de ruim. Pessoas assim, não se preocupam em cumprir normas, entender de legislação e fazem as coisas acontecerem relaxadamente, então no transito nem se preocupam se precisam aprender ou se tiver que cumprir a leis que norteiam as atividades ao seu redor, pessoas assim nem se preocupam com seu próprio eu, quanto mais com o outro.
        Imprudência: falta de prudência, é o antônimo de cautela, é o sujeito que se acha acima do bem e do mal, esta nem ai, como diz o povo do interior em que vivi, ou então tuiu pra nada. Pessoas assim imprudentes muitas vezes não pensam nas consequências de seus atos insanos.
        Decidido o impasse, conhecimento posto em prática, dúvidas dirimidas vamos aos fatos. Existe uma faixa de pedestre na conhecida e conceituada Avenida Ayrton Sena na altura do Colégio Salesiano, mais especificamente em frente ao Residencial Itamaraty, onde todos os dias dezenas de pessoas precisam apelar para a boa vontade dos motorizados que sem nenhuma prudência ou seria displicência? Deixam os pedestres no chinelo, ou seja, pode acenar com a mão como for à lei é a dos motoristas, quando por ventura tem um prudente, que diminui a velocidade e para, só então os pedestres atravessam a citada faixa.
       Nesse sentido, se torna urgente a atenção de fiscais para que os imprudentes, ou será os displicentes? Possam prestar atenção na citada faixa e em quem está tentando atravessar para que os menos favorecidos do trânsito (pedestre) possam exercer seu direito de ir e vir que este posto lá na carta magna da nação no artigo V.
      Assim data vênia, com a palavra o DETRAN... E Prefeitura Municipal de  Parnamirim.


Escritora