domingo, 4 de janeiro de 2015

ARTIGO DO ESCRITOR EDUARDO GOSSON - NATAL/RN




ENÉLIO LIMA PETROVICH: TRÊS ANOS DE SAUDADES

Por Eduardo Gosson(*)

Hoje, no calendário Católico, dia 6 de Janeiro, faz três anos que o amigo embarcou na Nau da Eternidade, trocando esta vida (falsa e provisória) pela outra (verdadeira e definitiva) deixando o Rio Grande do Norte mais pobre.
Enélio tinha inimigos declarados e sobretudo ocultos (mais perigosos) porque nos pega de tocai sem que possamos nos defender. Era acusado de ser um caudilho, porque passara 48 anos no cargo de presidente da instituição mais antiga do Estado,  berço de grandes intelectuais. Ora, o caudilhismo é um problema do Brasil e da América Latina, fruto do pouco exercício da  Democracia.  Além do mais, para dar vida a essas instituições é preciso de Comandantes fortes para manter a chama acesa. Fidel Castro, Luís Carlos Preste, Diógenes da Cunha Lima e Enélio Petrovich, só para citar alguns dirigentes políticos e culturais, se encaixa naquela frase célebre do filósofo Ortega y Gasset: “eu sou eu e as minhas circunstâncias”. Na verdade, numa sociedade  onde tudo vira mercadoria, e cada um tem seu preço, NINGUÉM trabalha sem remuneração. Todos querem fama e dinheiro.
Enélio amava os livros  porque sabia que  semear Educação e Cultura é o caminho para uma vida melhor. A advocacia previdenciária que exerceu por cinquenta anos era o seu ganha-pão (continuada por seu filho Enélio); mas a menina dos seus olhos era o Instituto Histórico e Geográfico do RN – IHGRN. Ia todos os dias. Era auxiliado por Lúcia e Antonieta, funcionárias exemplares e na parte intelectual pelo Amigo e Historiador Olavo de Medeiros Filho que chegava às 6h da manhã para consultar livros e documentos, produzindo uma obra significativa de mais de vinte livros. Às 9h encerrava as suas pesquisas e se tornava Relações Públicas, ajudando e orientando os que iam pesquisar.
Se a sua gestão não avançou na área da Informática, não importa. Essa questão está sendo resolvida pelos atuais dirigentes, que formam uma Diretoria de Notáveis. Em convênio com a UFRN todo o acervo será digitalizado e jogado em rede na INTERNET.
Para encerrar cito o Mestre Cascudo: “a morte existe; os mortos, não”.  Por sua vez afirmou o Sub-Comandante Marco “Morrer não dói, o que dói é o esquecimento”.
Mestre, você viverá  para sempre em nossos corações!

(*) Poeta e Historiador  presidiu a UBE-RN (2008-2013) e atualmente é Tesoureiro do IHGRN (2014-2016).