terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

A VOZ POÉTICA DO CIRO JOSÉ TAVARES - BRASILIA/DF




                              CANÇÃO SOB OS OLHOS DE ANITA
                    Ciro José Tavares.
Ah!  Benevolentes olhos de Anita deitados sobre mim.
Tristonhos, negros, quietos, invadem-me para pacificar

meu  espírito agitado de pássaro ferido  de saudades.
Porque na minha vida chegaste muito tarde ou não chegaste,
 guardo a sensação de jamais  te ter visto ou conhecido.
Em qual dessas distantes estrelas nascentes tu te escondes?
Tu, mulher sagrada, cuja plácida beleza afugenta sombras,
não imaginas a dor da ausência e  de não poder ouvir teus acalantos.
Durmo e acordo, Anita, sob a resplandecente luz do teu olhar.
É verdade que não estás na minha companhia. E essa claridade
diuturna espargindo consolação não virá de tuas mãos abençoadas?
Deixa Anita irrevelada, embalar-te na última canção de sonhos que me resta
e que meu coração seja incendiado do amor que apenas tu podes receber.