domingo, 6 de junho de 2010

A POESIA PERDE DINIZ VITORINO - COMUNICADO DO POETA ADEMAR MACEDO

Meus Irmãos Poetas,
Perdemos hoje um dos maiores
poeta populares deste país, o grande
DINIZ VITORINO. Um enfarte calou
para sempre o nosso Grande Poeta.
Amanhã, dia 06 ele completaria
70 ANOS. Com certeza a festa já será no Céu!
Além de um grande repentista ele era um dos
maiores Sonetistas deste País, se não vejamos:

A C R U Z.
– Diniz Vitorino/PB –

Nunca quis carregar, de alguma forma,
a tantálica cruz da dor que aflige,
mas a lei de Deus pai não foge à norma;
a sentença é lavrada, o tempo exige.

Sofre o corpo, o espírito se conforma,
o amor para o calvário me dirige.
O tormento é brutal, mas não transforma
filho pródigo algum que Deus corrige.

Mas, se o próprio Messias foi no horto
coroado de espinhos, preso e morto,
tendo vindo dos céus pra nos amar,

se eu, tão frágil, morrer como Jesus
pregar cada pecado numa cruz,
dez mil cruzes não dão pra me matar!


Q U E M S E R I A.

– Diniz Vitorino/PB –

Como a rosa engravida, eu não defino!
Só sei que é puro amor, nenhum pecado.
Que o pássaro boêmio peregrino,
se embriaga em seu ventre imaculado.

E que a abelha esvoaça, e seu destino,
é pousar em seu colo perfumado.
Mas o toque é de leve e cristalino,
para o pólen não ser desvirginado.

Se o pássaro beijando-a não desonra,
a ágil abelha, também conserva a honra
quais seriam os seus reprodutores?

Se não sou eu, nem você, que dúvida é esta?
É o fôlego de Deus que na floresta,
suaviza, fecunda, e cria as flores.

Vá Com Deus Poeta!!!...
Ademar.