domingo, 9 de junho de 2013

A VOZ POÉTICA DO CIRO JOSÉ TAVARES - BRASILIA/DF

A Leste de Greenwich Village
Ciro José Tavares

Que neblina é essa, afinal?
Que neblina é essa
que não deixa entrar pelas vidraças
lanças de ouro do universo?
Que insiste inundar átrios
de noturnas claridades?

Que neblina é essa
que me esgarça os fios pelo tempo
e rompe as linhas que bordaram vidas?

Que neblina é essa
que me silencia as ruas,
anoitece as casas,
Extermina os sonhos?

Que neblina é essa
que conduz à lágrima,
cria o estéril, reprime o riso?

Que neblina é essa
que me morre
triste nas lembranças,
que me turva a vista
diante dos retratos desbotados?

Que neblina é essa
que me esconde os calendários,
destrói meus santos
e rasga os véus dos templos?

Que neblina é essa
que não me responde?
não me questiona,
ontem, hoje, sempre?
não me festeja a vinda,
não me diz adeus?

Que neblina é essa, afinal,
que não me apaga sequer
as luzes da memória?