sexta-feira, 31 de maio de 2013

PROGRAMA MAIS CULTURA NAS ESCOLAS - MinC e MEC num so ideal.


republico na integra


O que é "Mais Cultura nas Escolas"?


Mais Cultura nas Escolas é o resultado da parceria MinC e MEC para promover o encontro de iniciativas culturais e escolas públicas de todo o Brasil,  democratizar o acesso à cultura e ampliar o repertório cultural de estudantes, professores e comunidades escolares do ensino básico. Artistas, mestres das culturas populares, cinemas, pontos de cultura, museus, bibliotecas, arte educadores e outras iniciativas culturais agora podem elaborar Planos de Atividade Cultural em diálogo com projetos pedagógicos e com os eixos temáticos do Mais Cultura nas Escolas.

As atividades serão desenvolvidas dentro ou fora da escola por no mínimo 6  (seis) meses, valendo-se das mais diversas linguagens artísticas (música, teatro, audiovisual, literatura, circo, dança, contação de histórias, artes visuais, etc.) e manifestações da cultura (rádio, internet, jornal, culinária, mitologia, vestuário, mestre e saberes populares, etc.).

 
Eixos Temáticos

Os eixos temáticos do Mais Cultura nas Escolas foram criados considerando a diversidade da cultura brasileira e das manifestações artísticas atuais. São 9 (nove) eixos para incentivar projetos voltados, entre outros temas, a atividades em museus, pontos de cultura, cinemas e outros espaços culturais; à criação, circulação e difusão artística; à cultura digital e comunicação; ao patrimônio material e imaterial; às tradições orais; às culturas indígenas e à cultura afrobrasileira.

 
Atores/ Participantes


Iniciativas Culturais


Pessoas física ou jurídica, indivíduos ou grupos que desenvolvem práticas e pesquisas em artes, patrimônio, cultura popular, etc. Entidades como bibliotecas, pontos de cultura, museus, cinemas e outros espaços. O melhor meio de encontrá-las é explorar territórios educativos potenciais em torno da escola, atentando aos espaços e atores da cultura.   

escolas

Poderão inscrever projetos cerca de 34 mil escolas da rede pública, espalhadas por todo o Brasil, ativas nos Programas "Mais Educação" e "Ensino Médio Inovador" (MEC) até 2012. Mais informações sobre as escolas participantes nos links e documentos relacionados, ao lado, aqui nessa página digital.
 
Como participar?


Escolas e iniciativas culturais vão criar juntas um Plano de Atividade Cultural, em diálogo com um ou mais eixos temáticos propostos pelo programa. Os projetos serão cadastrados e enviados, pelos responsáveis das escolas, via SIMEC (Sistema Integrado de Monitoramento, Execução e Controle do Ministério da Educação) até o dia 30 de junho de 2013. O processo de avaliação será conduzido pelos dois Ministérios, MinC e MEC.
 
Recursos


Em 2013 serão investidos R$ 100 milhões para financiar 5 (cinco) mil projetos. Cada um dos contemplados vai dispor de valores entre R$ 20 e R$ 22 mil reais. Os recursos financiam, entre outros itens, a contratação de serviços culturais necessários às atividades artísticas e pedagógicas. Os valores serão repassados diretamente às escolas via PDDE/ FNDE (Programa Dinheiro Direto na Escolas/ Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação).
 

 

Para visualizar as listas com nomes, endereços, telefones e outras informações das escolas participantes do Mais Cultura nas Escolas, procure nessa página, em cima e à direita do quadro "Saiba Mais", um link com o nome "Documentos". Entre os materiais disponíveis estão arquivos em formato .pdf, nomeados "Escolas Participantes - Mais Educação (MEC)" e "Escolas Participantes - Ensino Médio Inovador (MEC)". Nesse mesmo espaço também está disponível o "Manual - Mais Cultura nas Escolas", com informações e orientações  para a construção dos Planos de Atividade Cultural. 

Para tornar plenas as condições de leitura desses materiais, é recomendável que seja selecionada a opção "Baixar", no link à direita da visualização disponibilizada pelo portal do MinC.

 
Dúvidas?  


Explore documentos e links relacionados nessa página. Para saber mais escreva para maisculturanasescolas@cultura.gov.br

  fonte: blog do MinC
maisculturanasescolas@cultura.gov.br

A VOZ POETICA DE HORACIO PAIVA - NATAL/RN


VIVO ENCANTADO CONVOSCO





 vivo encantado convosco 
 e comigo vos encantais 

 três vezes viestes ao meu encontro
 e três vezes anunciastes 
 vossas três naturezas

 e assim três vezes conversei convosco: 
 o ancião
 o jardineiro 
 e a sarça de fogo

 de vós afloraram a bondade 
 a beleza do bosque sagrado
 o êxtase perene

 três idades também me destes
 mas noutra ordem:

 a do filho
 com seu olhar finito 
 entre brumas azuis

 a do pai 
 caçador do pão diário
 com pés firmes na terra
 e oráculo na cabeça 

 a do espírito
 que abriga todos os mistérios 
 e já não lhe ocorre morrer 

 e preso à vossa palavra 
 como aluno atento 
 que tem sede de aprender 
 e aguarda o sinal
 enfim vos pergunto:

 aonde me levais, senhor?
 aonde, afinal, me levais? 

 (Horácio Paiva)
 (Dia de Corpus Christi, 2013)
 O Poeta e Advogado e Membro da UBE/RN
 
veja mais em: www.ubern.blogspot.com
www.versosediversos.blogspot.com

quinta-feira, 30 de maio de 2013

MANÉ BERADEIRO CONVITE!


CANCIONEIRO POTIGUAR JOSÉ ACACI LANÇA MAIS UM LIVRO - CONVITE

AS HISTÓRIAS DE TRANCOSO DOS MEUS TEMPOS DE CRIANÇA




 O livro, do  Professor e também Poeta, Cordelista e Músico José Acaci, nos remete a um tempo em, que as crianças sentavam nas calçadas para ouvir histórias, lendas e causos de assombração, botijas, proezas e espertezas. O livro discorre sobre a história que o autor ouvia quando criança. Os narradores fictícios são poetas e contam as histórias dentro da métrica e da rima perfeitos e, apesar de ser cordel, está escrito em parágrafos, ao invés de estrofes, inovando, assim, a maneira de  apresentar a poesia popular nordestina, potiguar. 
Com histórias como João Besouro e a Botija de Ouro, A Lenda do Papa-figo, O Bem Se Paga Com o Bem, O Romance de Tereza Carol, e tantas outras.
 As Histórias de Trancoso dos tempos de Criança  de JOSÉ ACACI é, leitura para crianças, jovens e adultos que são apreciadores da literatura e, em especial a literatura de cordel. 
O livro vem com obra xilográfica de Erick Lima e, o prefácio da Professora VandilmaMaria de Oliveira e, as orelhas (abas) do jornalista Pinto Junior. 
 
LANÇAMENTOS/AGENDA:
 
DATA: 04/06/2013
HORA: 15:00 h
LOCAL: CEMURE - Centro de Referência em Educação,
na Av. cap. Mor. Gouveia, 1958, Bairro de Nazaré
Natal, ao lado da Rodoviária Nova.
 
 
DATA: 08/06/2013
LOCAL:Casa do Cordel
ENDEREÇO: Rua Vigário Bartolomeu, 578 - Natal – RN, próximo a agência do BNB da Praça Padre João Maria no Centro de Natal. 
 
DATA: 29/06/2013
LOCAL: Livraria Nobel
ENDEREÇO:  Av. Sen. Salgado Filho, 1782 - Lagoa Nova. 
 
Contatos com o autor: 
 
espacodocordel@gmail.com ou (84) 9951 9873
 
Posteriormente divulgarei o horário do lançamento, da Casa do Cordel e Livraria Nobel.


fonte: por e-mail
veja também sobre o autor em www.versosediversos.blogspot.com

V CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA DE NATAL/RN - PARTICIPE!


  • Apresentação - Conferência da Cultura 2013
A prefeitura do Natal, por intermédio da Funcarte, está convocando toda a classe artística da cidade para realização da V Conferência Municipal de Cultura de Natal, de 3 a 5 de junho, no IFRN da Cidade Alta (avenida Rio Branco). Nesta Conferência serão traçados os planos, ações e diretrizes das políticas culturais da cidade para o Plano Municipal de Cultura, já que a capital potiguar integra o Sistema Nacional de Cultura.
A data inicial da Conferência era dia 13 de maio, mas os textos base do Ministério da Cultura que irão nortear os debates regionais serão lançados pelo MINC somente no dia 17 de maio. Por isso a Funcarte – em entendimento com os representante do Conselho Municipal de Cultura e o próprio Ministério – entendeu que adiar a Conferência para o de junho era única solução. Caso contrário todo o evento se tornaria nulo (inclusive a eleição dos novos conselheiros e até os assuntos discutidos).
A abertura acontece no dia 3 de junho (segunda-feira) com participantes do Ministério da Cultura e da Fundação Cultural Capitania das Artes mostrando e explicando a importância da Conferência Municipal de Cultura. Nos dois dias seguintes (4 e 5), das 8h às 12h e das 14h às 18h, acontecem as discussões temáticas dos Grupos de Cultural acontece a eleição dos representantes do segmento cultural do Conselho Municipal de Cultura.
A realização da Conferência da Conferência Municipal de Cultura segue as diretrizes e temas da Conferência Nacional de Cultura (CNC) e acrescenta também assuntos locais. Em Natal também haverá discussões abordando os “Sistemas de financiamento para cultura”.

Conferência Municipal de Cultura
3 a 5 de junho Local: IFRN da Cidade Alta (avenida Rio Branco) Dia 3 (Segunda-feira) 18h – Solenidade de Abertura da Conferência Municipal. Participação de convidados do Ministério da Cultura e convidados locais.
Dia 4 (Terça-feira) Manhã e tarde. Início dos trabalhos – Discussão temáticas da Conferência Municipal – Plenária d Início dos Grupos de Trabalho.
Dia 5 (Quarta-feira) Manhã. Continuidade dos GTs (Grupos de trabalhos temáticos da Conferência) Tarde. Eleição dos Conselheiros Municipais (Conselho Municipal de Política Cultural) 17h00. Encerramento. 

Dúvidas e esclarecimentos:
Secretaria Executiva do Conselho Municipal de Cultura 3232-4959, e-mail: quinta.conferência@natal.rn.gov.br
Regimento interno da conferência. Clique aqui.

fonte: funcarte por e-mail

terça-feira, 28 de maio de 2013

COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS - CAE APROVA PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO!


Comissão aprova Plano Nacional de Educação com royalties do petróleo destinados ao setor

pne_construcllkkklklklklk
Programa estabelece aumento gradual de recursos para a área

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) aprovou, nesta terça-feira (28), o Plano Nacional de Educação (PNE). Contido no projeto de lei da Câmara (PLC) 103/2012, o Plano prevê aumento gradual de recursos para a área, correspondendo a 7% do PIB no quinto ano de vigência da norma e a 10% no décimo ano. Estabelece 20 metas e centenas de diretrizes para o setor para os próximos dez anos. A proposição segue agora para as comissões de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) e de Educação, Cultura e Esporte (CE) antes de ser votada em Plenário.

Na CAE, o projeto recebeu 83 emendas, analisadas pelo relator José Pimentel (PT-CE), que se ateve principalmente a questões econômicas relacionadas à proposta. O senador decidiu, por exemplo, incorporar ao PNE parte das disposições do Projeto de Lei 5.500/2013, em tramitação na Câmara dos Deputados, que destina 100% dos royalties do petróleo para a educação e mais 50% do Fundo Social do petróleo extraído da camada pré-sal. José Pimentel quer vincular à educação todos os royalties do petróleo dos novos contratos de exploração celebrados a partir de 3 de dezembro do ano passado.
A proposta inicial do governo destinava 7% do PIB ao setor educacional, mas os deputados fixaram este índice como meta intermediária, a ser alcançada no quinto ano de vigência do PNE, e prevendo, ao fim do plano, o percentual de 10% do PIB. Na CAE, José Pimentel chegou a retirar a meta intermediária de 7% de seu relatório, mas voltou atrás, depois que entidades ligadas ao setor educacional protestaram.

Alfabetização

Outra mudança proposta pelo relator diz respeito à universalização da alfabetização de crianças. Inicialmente, o governo propôs a idade máxima de oito anos. Na Câmara dos Deputados, o critério foi mudado para até o fim do terceiro ano do ensino fundamental. Agora, José Pimentel propõe etapas: aos oito anos de idade e até o terceiro do ensino fundamental na primeira metade da vigência do plano; aos sete anos, no período compreendido entre o sexto e o nono anos de execução do plano; e ao fim dos seis anos de idade, no décimo ano de vigência do PNE.

Discussão

Durante a discussão do texto na CAE, nesta terça-feira, o senador Inácio Arruda (PCdoB-CE) classificou o PLC 103/2012 como o mais importante projeto em tramitação no Congresso Nacional. Já o senador Cristovam Buarque (PDT-DF) fez restrições à proposta, considerando-a “pouco ambiciosa”. Ele disse que, apesar das dúvidas e da necessidade de aperfeiçoamento, optou por não atrasar a tramitação, deixando para discutir outros pontos relevantes na Comissão de Educação.

Tramitação

O PNE foi enviado pelo governo federal ao Congresso em 15 de dezembro de 2010 e só foi aprovado pela Câmara dos Deputados quase dois anos depois, em outubro de 2012, após ter recebido cerca de três mil emendas.

Metas

Entre as 20 metas do PNE, com mudanças de redação aprovadas pela CAE, estão universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de quatro a cinco anos de idade e ampliar a oferta de educação infantil em creches de forma a atender, no mínimo, 50% das crianças de até três anos até o final da vigência deste PNE.

O programa tem como meta também universalizar o ensino fundamental de nove anos para toda a população de seis a 14 anos e garantir que pelo menos 95% dos alunos concluam essa etapa na idade recomendada e promover a alfabetização de todas as crianças, no máximo, até os oito anos de idade, durante os primeiros cinco anos de do plano; no máximo, até os sete anos de idade, do sexto ao nono ano do programa; e até o final dos seis anos de idade, a partir do décimo ano de vigência do plano.
O projeto trata ainda da implantação da educação em tempo integral em, pelo menos, 50% das escolas públicas com foco no atendimento a pelo menos 25% dos alunos da educação básica. E trabalhar para melhorar as médias nacionais para o Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica).

Confira a íntegra do parecer aprovado pela CAE nesta terça-feira na página do Senado.

FONTE: Agência Senado

domingo, 26 de maio de 2013

II SEMINÁRIO POTIGUAR DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO


O Departamento de Ciências Contábeis da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) promove o II Seminário Potiguar de Contabilidade Aplicada ao Setor Público. O evento, que acontece nos dias 17 e 18 de junho no auditório da Reitoria, é realizado em parceria com o Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Norte (CRCRN) e o Instituto Íris.

As inscrições estão abertas e podem ser feitas por meio do Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (SIGAA), menu Extensão, no tópico Visualizar Cursos ou Eventos. São ofertadas 300 vagas para alunos e professores do curso de Ciências Contábeis e servidores técnico-administrativos das áreas de Contabilidade, Administração, Auditoria e SEOs.

Na programação constam palestras, mesas-redondas e painéis. O painel de abertura do evento é Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Análise das principais dificuldades e resumo das estratégias de convergência aos padrões internacionais, que acontece no dia 17 de junho, a partir das 15h30, no auditório da Reitoria da UFRN.

A proposta do evento é promover debates sobre as características e necessidades de adequação dos diferentes modelos de controle dos custos utilizados atualmente na Administração Pública, frente às mais modernas metodologias, padrões e sistemas de informação de custos para o setor público.

fonte: agecom por e-mail

sábado, 25 de maio de 2013

UFRN, PROFESSORES E SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA DISCUTE SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO - NATAL/RN




A discussão sobre a construção de um sistema nacional articulado de educação marcou a Conferência Intermunicipal de Educação – RN (COIME 2013) – Polo Natal, aberta na manhã desta sexta-feira, 24, no auditório do Hotel Pirâmide. A solenidade contou com a presença da reitora Ângela Paiva Cruz, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), da diretora do Centro de Educação (CE/UFRN), Márcia Gurgel, da deputada federal Fátima Bezerra, do deputado estadual Fernando Mineiro, além de professores e representantes dos diversos segmentos educacionais.

Com a discussão do tema “O PNE na articulação do sistema nacional de educação: participação popular, cooperação federativa e regime de colaboração”, o evento faz parte de uma série de conferências, que estarão sendo realizadas até o dia 26 de junho em todo Estado do Rio Grande do Norte e que subsidiarão a Conferência Estadual e, posteriormente, a Conferência Nacional de Educação.

Essas conferências são coordenadas pelo Fórum Estadual de Educação, cuja coordenadora é a professora Márcia Gurgel, diretora do Centro de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, instituição responsável pela coordenação pedagógica e administrativa do evento.

Segundo Márcia Gurgel, o evento conta com uma participação, aproximada, de 4 mil pessoas em todo estado e os polos Natal/Mossoró/Pau dos Ferros são os que congregam um maior número de pessoas. Com essa conferência, afirmou, espera-se que os profissionais da educação sejam mobilizados para a criação do Fórum Municipal de Educação.

A diretora do CE/UFRN explicou que o Fórum Estadual de Educação do RN assumiu a responsabilidade de coordenar as 18 conferências municipais e a conferência estadual. Elas acontecem nos polos sediados nos municípios de Arês, Bom Jesus, Extremoz, Goianinha, Ielmo Marinho, Maxaranguape, Monte Alegre, Natal, Nísia Floresta, Santa Maria e São Miguel do Gostoso.

A reitora Ângela Paiva chamou a atenção para o significado da palavra “construção”, na qual deve haver um cuidado com cada tijolo e afirmou que, “na condição de atores desse processo transformador, estamos todos juntos, pois sem a participação desses atores, não haverá mudança”, disse referindo-se à participação de todos na melhoria da qualidade da educação brasileira.

Ângela Paiva também fez referência aos dois anos de gestão, a ser comemorado no próximo dia 28, colocando como marco da gestão a participação na política pública de educação. “Comemoramos nesses dois anos, também, o esforço que estamos fazendo pela educação básica”, disse, citando as especializações (mais de 10) e pesquisas nessa área.

A professora Fátima Cardoso, coordenadora do SINTE/RN, disse na solenidade de abertura da Conferência que é importante ressaltar esse momento, “que é oriundo de uma luta histórica dos trabalhadores, uma oportunidade de interagir com as diferentes opiniões para construir algo que possa beneficiar o conjunto da sociedade brasileira”.

A deputada federal Fátima Bezerra, representando a Comissão de Educação e Cultura da Câmara Federal e o Fórum Nacional da Educação, falou da satisfação de participar de um evento, “que está preparando para um dos momentos mais importantes para a educação do País”. Ela afirmou que no ano de 2013 tem duas agendas importantes: a primeira é o PNE (Plano Nacional de Educação), e a segunda é o financiamento da educação.

A segunda Conferência Intermunicipal de Educação do Polo Natal acontece no próximo dia 21 de junho.

 fonte: agecom

quarta-feira, 22 de maio de 2013

A VERGONHA - TEXTO DE PAULO GHIRALDELLI JR - RIO DE JANEIRO/RJ


  • A vergonha

    “Sou envergonhado e tímido” – há muita gente que se define desse modo. Assim, alguns passam uma vida toda perdendo oportunidades e se saindo mal em tudo. Qualquer tarefa em que precisam se colocar à dianteira, ganhando certa visibilidade, é exatamente o momento em que recuam e colocam tudo a perder. Não mudam, justamente porque para mudar teriam de tomar uma iniciativa, o que implicaria em alguma exposição insuportável. Há quem seja tão envergonhado de tudo que nem mesmo a iniciativa para tentar deixar a vergonha de lado é possível de ser tomada. O que fazer com isso?

    O erro do envergonhado que não consegue deixar de ser envergonhado é que ele acredita que sua condição é natural e eterna. Como a vergonha se manifesta com reações fisiológicas (o rubor e até mesmo um desarranjo intestinal passando pelo vômito), ele se convence que tudo está tão entranhado no seu corpo que sua alma jamais poderá se libertar. Seu corpo o avisa de que ele está em uma prisão. Vê-se em um calabouço. Isso é tão forte que às vezes ele cede a Platão e imagina que é o corpo prendendo a alma, e às vezes ele pensa como Foucault e tem certeza que é a alma acorrentando o corpo. A saída dessa situação não é fácil, mas que há saída, nós sabemos que há. Muitos envergonhados ficaram sem-vergonhas, sem que tal mudança os tenha comprometido com uma vida imoral.

    A chave para escapar da vergonha monstruosa está aqui: deve-se começar por identificar o que é que causa vergonha e o que é que, na vida em geral, não deve causar vergonha. Há sim aquilo que tem mesmo de causar vergonha. Mas há aquilo que se causa vergonha, nada indica senão que algo está errado – não deveria provocar vergonha. A literatura filosófica conta um episódio envolvendo Sócrates e o jovem general Alcibíades que ensina muito sobre isso tudo.

    Sócrates estava em um banquete na casa de um poeta. Era um banquete seleto, para amigos. Comemoravam a vitória desse poeta em mais um festival, entre os vários que já havia participado. Durante toda a noite beberam e comeram enquanto se dedicaram a falar do amor. Cada um deles fez uma exposição sobre o amor, ou seja, Eros. Sócrates foi o último a falar. Quando terminou sua fala e iria receber os aplausos, todos escutaram um barulho no portão. Nem bem os servos da casa puderam abrir o portão e entrou o belo general Alcebíades, completamente bêbado e com uma guirlanda na cabeça. Chegou entre os presentes e foi colocando a guirlanda em um e outro, ao modo que todo bêbado chato faz em festa. Os convivas não tiveram outro modo de lidar com ele senão convidando-o a participar do ritual ali posto: que também Alcibíades falasse sobre o amor, sobre Eros. A palavra foi passada para o jovem general que, então, surpreendeu a todos ao falar não propriamente do amor e, sim, do amor dele por Sócrates.

    Alcibíades contou nesse episódio como que Sócrates era grandioso em tudo que fazia. Mencionou o episódio em que o filósofo o havia resgatado no campo de batalha, enfrentando vários inimigos para abrir caminho de maneira a carregá-lo ferido para as trincheiras amigas. Lembrou que Sócrates ao voltar da campanha militar negou ter feito o que fez, negou ter sido herói e mentiu dizendo que Alcibíades é que havia se saído bem na guerra, deixando os louros recair sobre o jovem. Contou também como Sócrates havia ficado sozinho com ele, em uma noite em sua casa, onde tudo havia sido adrede preparado para que o filósofo fosse seduzido sexualmente, e que este ali permaneceu sem ceder aos seus encantos e suas investidas – uma resistência que nenhum outro havia levado adiante. Nessa preleção toda, Alcibíades lançou uma estranha comparação. Viu Sócrates como um sátiro, mais propriamente como Marsyas. Alcibíades não se aprofundou na comparação, mas para bom entendedor meia palavra basta. A história de Marsyas é significativa.

    O sátiro Marsyas era aquele da lenda sobre a flauta da deusa Atena. Essa deusa havia achado uma flauta e encantou-se em tocá-la. Mas isso durou pouco, porque um dia, tocando a flauta, olhou para as águas de um lago e ficou horrorizada com a imagem de seu rosto lá refletido. O esforço para tocar a flauta fazia suas bochechas incharem e seu rosto perdia as expressões de serenidade que ela tanto amava em si mesma, e que lhe conferiam beleza – justamente a beleza apolínea, das esculturas, sinônimo da beleza em si na cultura grega. Envergonhada e enraivecida lançou a flauta longe, nunca mais se envolvendo com instrumentos de sopro. Alcibíades conhecia bem essa história, e ele costumava aplicá-la a si mesmo. Dizia não ter aprendido nenhum instrumento de sopro porque estes lhe deformavam o rosto, tirando-lhe a beleza que tanto o distinguia em Atenas. Aliás, dizia também que um povo que tem flautistas e coisas do gênero entre homens livres e não somente entre servos, era um povo brutalizado, incapaz de se elevar por meio do diálogo, usando então a boca para se enclausurar em uma situação que impedia a conversação. Marsyas foi o sátiro que achou a flauta de Atena e se transformou em exímio tocador, sempre com as bochechas inchadas. Um sátiro é suficientemente feio para não dar a mínima ao se tornar mais feio, muito menos se isso é por causa de uma flauta. Alcibíades tinha vergonha de si ao tocar a flauta e lembrava bem da vergonha que sentia quando vislumbrava a figura de Marsyas.

    O interessante é que no banquete, Alcibíades termina sua preleção dizendo que a única pessoa capaz de provocá-lo, fazendo-o sentir vergonha, era Sócrates. O filósofo assim fazia sem precisar falar nada, só pela sua presença. Por isso mesmo, não se há de estar errado quem entende bem a comparação que Alcibíades fez, entre a figura feia de Sócrates e Marsyas, não pela aparência somente, mas principalmente por ambos serem porta vozes da vergonha que se manifestava nele próprio, Alcibíades. Mas por que Alcibíades tinha vergonha? Ora, porque Sócrates apostou nele como filósofo, como quem poderia ser um político, um líder militar, mas com a sabedoria de um filósofo. Alcibíades sabia ter ficado aquém disso. Mas sabia, também, que isso não o diminuía diante de outros. Ele era a grande figura de Atenas em vários sentidos. Diante de Sócrates, no entanto, a quem ele amava, havia a vergonha de não ter podido se completar como um político mais sábio, que era o que o filósofo queria que ele fosse.

    A frase principal dessa história é essa última: “que o filósofo queria que ele fosse”. Aí está a causa da vergonha de Alcibíades e a única que realmente produz a vergonha: sermos descobertos como não sendo aquilo que até então parecíamos a todos os nossos admiradores, os que, por conta de uma promessa, nos viam como esperança no futuro próximo.

    Como alguém pode ter vergonha se antes não despertou nenhuma expectativa ou fez qualquer promessa? Não pode. O envergonhado que mostra seu rubor diante daqueles a quem não foi prometido nada, é um falso envergonhado. Pode se conscientizar disso e jogar a vergonha fora. Nunca prometi a ninguém que iria ser campeão olímpico em natação, muito menos a mim mesmo, por isso mesmo quando entro na piscina é para nadar como sei, para me divertir, não para apresentar uma performance. Não posso ter vergonha do modo como estou nadando porque não posso ter vergonha dos que estão me olhando. Eles esperavam quem? Um super-herói? Azar deles! Não veio.

    Uma boa parte de nossa vergonha desapareceria se pudéssemos entender Alcibíades. Nada e ninguém, exceto Sócrates, faziam-lhe sentir vergonha. Nisso, Alcibíades se revelou completamente normal, saudável.

    Os pais deveriam entender isso e ter bom senso ao cobrar dos filhos determinadas coisas. Há o que cobrar quando alguma coisa foi estabelecida de comum acordo. Alcibíades e Sócrates tinham se tornado amante e amado em uma relação filosófica de pederastia. Alcibíades abandonou o cultivo de si mesmo e não cumpriu o que a relação exigia. Havia razão de ter vergonha, mas, assim mesmo, só em relação a Sócrates e a mais ninguém. E assim ele viveu. Mas há entre nós os que têm vergonha do que foi prometido e não cumprido em relação a tudo e todos. Essas pessoas sofrem. Ampliam a vergonha para além do que poderiam e deveriam. Uma pessoa assim acha-se devedora de dívidas que não contraiu ou que outros contraíram em seu nome, sem sua autorização. Quer pagar o que não deve e, no entanto, não pode. Sente vergonha. Perde a noção de onde vem a vergonha. Torna-se patologicamente um envergonhado.

    Nas relações com nossos pais e outros que são adultos, fazemos promessas ou deixamos que as pessoas acreditem em nós. Afinal, algumas delas resolvem elas mesmas fazer promessas por nós. Não nos avisam! Os pais decidem que seus filhos deverão agir assim e assado, sem avisá-los, e quando eles não cumprem, querem que eles passem a se cobrar e se envergonhar. A vergonha nesse caso não ajuda, pois o que podem conseguir é que os filhos sintam vergonha de tudo, menos do que deveriam sentir.

    Quem quer ficar sem vergonha tem de começar cedo o exercício de auto-exame, para saber no que pode prometer suas forças e comprometer seus esforços. A vergonha correta é pontual, não pode ser genérica e geral. A vergonha genérica e geral, como aquela que Adão e Eva sentiram em relação a Deus, segundo o conto moral bíblico, não faz sentido em nosso mundo. Fazia sentido para eles, o casal, uma vez que só tinham uma lei a obedecer, só tinham uma promessa a cumprir e falharam. Quando o envergonhado dá o tamanho exato da sua vergonha para si mesmo, começa a se libertar da vergonha avassaladora.

    © 2013 Paulo Ghiraldelli Jr., filósofo, escritor, cartunista e professor da UFRRJ 
     
    veja mais nos links abaixo nos blogs do autor
    http://ghiraldelli.pro.br/ e http://filosofia.pro.br/

AS CRÔNICAS DA FAMILIA GOSSON - LANÇAMENTO

                                                                                       EDUARDO GOSSON
                                                                                    
CRÔNICAS DA FAMILIA GOSSON,   este livro que será publicado em  28 de Maio 2013 às 18h, na Academia Norte-Rio-Grandense de Letras é de autoria do poeta e escritor Eduardo Gosson, presidente da União Brasileira de Escritores – UBE/RN,  vol. 04 da Coleção  Bartolomeu  Correia de Melo (prosa) do selo editorial Nave da Palavra, o autor conta, em forma de comoventes crônicas, a história da sua família (Gosson) desde a vinda dos avós para o Brasil  no ano de 1925 (imigrantes libaneses),passando pelos pais, tios, filhos e netos de forma leve.
Segundo a poeta e crítica literária Valdenides  Dias, da Universidade Federal do RN – Campus de Currais Novos:
 “A suavidade com que você ata o fio da vida ao da morte me emociona. Mesmo poeticamente falando, dói. Tanto.”. 
Avalizam a presente obra o escritor português Carlos Morais dos Santos que assina o Prefácio, Walter Cid faz a Apresentação e a escritora Anna Maria Cascudo as Orelhas. Para a  filha de Cascudo:
 Finalmente hoje participo já como escritora e acadêmica da União Brasileira de Escritores na sua diretoria. Encontro Eduardo Gosson, poeta e escritor, um batalhador cultural. Vejo-o como  a síntese da família, naquilo que eles possuem de mais sólido. Seu sobrenome significa “árvore frondosa” em árabe. Ele é o somatório das virtudes adquiridas em terras brasileiras. Tem a simplicidade dos múltiplos, o brilhantismo dos modestos. Um líder, descobridor e incentivador de talentos. Incapaz de um sentimento menor. Pai  amantíssimo. Avô fascinado. Excelente marido.  Amigo como poucos.
Surgiu na vida como um sol que não admite sombras  nem se deixa tolher pelas tempestades. Vive buscando a luz do paraíso da igualdade. Seu corpo frágil disfarça o gigante de esperanças. Pássaro que voa feliz apesar das correntes de ar contrárias. Acredita, como Esopo  (século VI a.C.” ) que “a união faz a força”. Seu comunismo resulta no amor ao próximo. Sem buscar recompensas. Sua meta é erguer pontes quando só existiam paredes.”
SERVIÇO:
Lançamento do livro Crônicas da família Gosson
Data: 28.05.2013 (terça-feira)
Hora: 18h
Local: ANL – rua Mipibu, 443 – Petrópolis
R$ 20,00
 
Eduardo Gosson
Presidente da UBE/RN

A NOITE DE GALA DA PINACOTECA DO RIO GRANDE DO NORTE!

UMA NOITE DE GALA NA PINACOTECA

Por Franklin Jorge*
A Pinacoteca do Estado inaugurou ontem a noite, simultaneamente, mostras de quatro artistas que investigam a fotografia e se afirmam como expoentes nesse âmbito. Porém, ressalte-se, aqui, a renovação do público que passeou por seus salões e extasiou-se com obras que dão à fotografia o status de arte contemporânea.

Um público de todas as idades, mas visivelmente amante da arte e apreciador da cultura popular, como quisemos implantar na Pinacoteca do Estado num esforço de acolhimento da arte popular urbana que se faz presente, nos dias de hoje, em toda a parte. Um público visivelmente renovado, como se verá nas fotografias tiradas durante o evento que ocupou a maior das salas do térreo e quatro salas no segundo piso do Palácio Potengi, onde, como sabem todos, está instalada a Pinacoteca do Estado – endereço que deve constar na agenda das pessoas bem informadas. Um público que sabia o que estava vendo e falava da fotografia como uma arte apaixonante em uma sociedade da imagem e do ruído.

O brilho dessa noite que pôs em evidencia a arte de Paula Geórgia Fernandes, primeira dos nove artistas premiados este ano nos editais de ocupação da Pinacoteca. São obras inspiradas na paisagem a um tempo surpreendente e desolada dos sertões seridoenses capturados, esses sertões forjados no âmago do silencio pelo talento e acuidade visual de uma artista séria e exigente.

Emocionante lembrar-me que ainda a pouco, em outubro para ser preciso, o grande mestre da gravura Rossini Quintas Perez - nosso conterrâneo de Macaíba atualmente dedicado à fotografar o mundo com um olhar etnográfico -, ao visitar a Pinacoteca, admirava-se que não tivéssemos ainda um departamento de fotografia entre as coisas necessárias ao serviço rotineiro de uma instituição do gênero.

Creio que todos os que estiveram ontem à noite na Pinacoteca do Estado sentiram claramente que participavam de um momento histórico, que ficamos a dever à colaboração de uma plêiade de artistas prestigiado s por seu talento e contribuição às artes, em sua grande noite, por um público de sangue novo
 
Fra nklin Jorge - Jornalista e Coordenador da Pinacoteca

domingo, 19 de maio de 2013

A EXPRESSÃO LITERARIA DO ESCRITOR CIRO JOSE TAVARES - BRASILIA -DF

UMA FAMÍLIA HAMADA RIBEIRA V
Ciro José Tavares

Escrevendo sobre sua pessoa na Ribeira, o Dr. Onofre Lopes deixa que suas palavras sejam permeadas por lembranças emocionantes.
“Eu procurava caminho na nebulosa, e, aos tropeços, meio ambição, meio confiança, todo esperança, vagueava pelas salas de aula noturna do Dr. João batista, do Mestre Ivo Filho, do professor João Tibúrcio depois, bem mais tarde, também nas bancas de exame do Ateneu. Ouvia falar das vitórias dos que estudavam, dos anéis vistosos de quem se formava, da importância social, da elegância no vestir daqueles que vinham das Faculdades. Era, também, o tempo em que outros estímulos me excitavam: pessoas humildes, puras e boas, habituais das “vendas” dos meus irmãos João e Pedro Lopes, onde eu vivia e sonhava, contavam com exagero os milagres da inteligência de Rui Barbosa, recitavam Fagundes Varela, Olavo Bilac, Álvares de Azevedo, Castro Alves. E, para maior motivação, via o Bacharel kerginaldo Cavalcanti, inteligente, bem trajado, de passos largos e resolutos, espargindo vitórias, fazendo discursos floridos de estrelas...”
Nas suas recordações aborda um episódio que se refere ao seu futuro colega e grande amigo: “Sei que, como adolescente ambicioso, fiquei cheio de inveja; Viram? Hoje houve um exame de Francês que assombrou! É só no que se fala!... Foi um estudante, José Tavares, que fez exame todo tempo falando em Francês! Cabra danado de inteligente!... Formidável, todo o exame em Francês!” Depois disso não mais ouviu falar do meu pai. Conheceram-se em 1933, quando formado em Medicina, também no Rio de Janeiro o Dr. Onofre regressou à Natal e tornaram-se amigos inseparáveis.
Lembra ainda os primeiros momentos e os nomes que pontificavam na Medicina do Rio Grande do norte, Varela Santiago, Otávio Varela, Ricardo Barreto, Ernesto Fonseca, e a figura central de Januário Cicco, que nascido em São José de Mipibu e formado na Bahia, adotou a Ribeira como sua segunda terra natal e se transformou num dos canguleiros mais ilustres. Juntos, Januário Cicco, Onofre Lopes, José Tavares, Luís Antonio Ernesto Fonseca, Otávio Varela e Aderbal de Figueiredo constituíam o corpo clínico do Hospital juvino Barreto depois chamado Miguel Couto e, finalmente, numa justíssima homenagem, Onofre Lopes.
A Ribeira precisa renascer para honrar a memória desses homens. A cidade e o Estado, por extensão, devem tudo à Ribeira, A Ribeira do tempo da cidade de pouco barulho, quase sem luz, ruas arenosas e noites encantadas Por doces serenatas.
UMA FAMÍLIA HAMADA RIBEIRA V
   Ciro José Tavares

  Escrevendo sobre sua pessoa na Ribeira, o Dr. Onofre Lopes deixa que suas palavras sejam permeadas por lembranças emocionantes.
“Eu procurava caminho na nebulosa, e, aos tropeços, meio ambição, meio confiança, todo esperança, vagueava pelas salas de aula noturna do Dr. João batista, do Mestre Ivo Filho, do professor João Tibúrcio depois, bem mais tarde, também nas bancas de exame do Ateneu. Ouvia falar das vitórias dos que estudavam, dos anéis vistosos de quem se formava, da importância social, da elegância no vestir daqueles que vinham das Faculdades. Era, também, o tempo em que outros estímulos me excitavam: pessoas humildes, puras e boas, habituais das “vendas” dos meus irmãos João e Pedro Lopes, onde eu vivia e sonhava, contavam com exagero os milagres da inteligência de Rui Barbosa, recitavam Fagundes Varela, Olavo Bilac, Álvares de Azevedo, Castro Alves. E, para maior motivação, via o Bacharel kerginaldo Cavalcanti, inteligente, bem trajado, de passos largos e resolutos, espargindo vitórias, fazendo discursos floridos de estrelas...”
Nas suas recordações aborda um episódio que se refere ao seu futuro colega e grande amigo: “Sei que, como adolescente ambicioso, fiquei cheio de inveja; Viram? Hoje houve um exame de Francês que assombrou! É só no que se fala!... Foi um estudante, José Tavares, que fez exame todo tempo falando em Francês! Cabra danado de inteligente!... Formidável, todo o exame em Francês!” Depois disso não mais ouviu falar do meu pai. Conheceram-se em 1933, quando formado em Medicina, também no Rio de Janeiro o Dr. Onofre regressou à Natal e tornaram-se amigos inseparáveis. 
Lembra ainda os primeiros momentos e os nomes que pontificavam na Medicina do Rio Grande do norte, Varela Santiago, Otávio Varela, Ricardo Barreto, Ernesto Fonseca, e a figura central de Januário Cicco, que nascido em São José de Mipibu e formado na Bahia, adotou a Ribeira como sua segunda terra natal e se transformou num dos canguleiros mais ilustres. Juntos, Januário Cicco, Onofre Lopes, José Tavares, Luís Antonio Ernesto Fonseca, Otávio Varela e Aderbal de Figueiredo constituíam o corpo clínico do Hospital juvino Barreto depois chamado Miguel Couto e, finalmente, numa justíssima homenagem, Onofre Lopes.
A Ribeira precisa renascer para honrar a memória desses homens. A cidade e o Estado, por extensão, devem tudo à Ribeira, A Ribeira do tempo da cidade de pouco barulho, quase sem luz, ruas arenosas e noites encantadas Por doces serenatas.
Curtir · · · há 15 horas ·

UFRN: II COLOQUIO FRANCO - BRASILEIRO DE ANTROPOLOGIA






O Colóquio Franco-Brasileiro 'Antropologia das fronteiras, fronteiras da antropologia' será realizado nos dias 20, 21 e 22 de maio, na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

A delimitação dos campos de conhecimento científico aparece cada vez menos precisa, com a crescente reivindicação da pluridisciplinaridade nos estudos atuais e o poder de atração da Antropologia com relação às outras Ciências Humanas. A fronteira enquanto objeto de investigação, seja ela física, simbólica, ou como opção metodológica, aparece cada vez mais pertinente para perceber as contradições, os paradoxos, as diferenças e os conflitos no mundo contemporâneo. Pensada como espaço ou como categoria conceitual, a fronteira é um lugar de experiências sociais e de novos encontros. O presente colóquio pretende examinar as fronteiras na antropologia e nas sucessivas teorias: os lugares de investigação, os contextos políticos da pesquisa, os campos pouco explorados pela disciplina, as antropologias periféricas ou fronteiriças, a fronteira como lócus da pesquisa e a própria história da antropologia.

O objetivo do evento é reunir pesquisadores oriundos de vários horizontes teórico-metodológicos (Antropologia, Sociologia, História, Geografia, Políticas Públicas, etc), interessados em discutir a fronteira numa perspectiva antropológica. A escolha da fronteira como denominador comum do colóquio se justifica pela intensidade das mudanças vivenciadas pelas populações tradicionais ou grupos urbanos no mundo contemporâneo, que provocam redefinições significativas de seus limites sociais e territoriais. Tal categoria oferece oportunidades para cruzar diversas abordagens temáticas, permitindo discutir temas que dizem respeito às fronteiras espaciais, disciplinares e simbólicas.

O Colóquio, na sua segunda versão, é uma iniciativa dos grupos de pesquisa Cultura, Identidade e Representações Sociais, CIRS - PPGAS e Festas, Identidades e Territorialidades FIT - PPGe, em parceria com o PET Geografia (UFRN), Centre national de la recherche scientifique - Laboratoire d’Anthropologie Sociale (Collège de France CNRS - UMR 7130 - e EHESS), Laboratoire Cités Territoires Environnement et Sociétés – CITERES, UMR 7324 (Université François Rabelais) -, o  Centre de recherches bretonnes et celtiques da Université de Bretagne Occidentale (Brest), a Maison des sciences de l’homme en Bretagne da Université de Rennes, e recebe o apoio do Centro de Ciências Humanas Letras e Artes – CCHLA/UFRN, da Aliança Francesa de Natal, do Consulat Général de France pour le Nordeste, da Associação Brasileira de Antropologia, da Universidade Federal de Santa Catarina (CAPES-COFECUB), da Universidade de Brasilia (UNB) através do Programa PROCAD-Casadinho (CNPq-Capes).

fonte:s igaa

sexta-feira, 17 de maio de 2013

REJANE SOUZA: UMA EXPLOSÃO DE DOMINIOS SOBRE LEITURA NO RN

 

CURRICULUM VITAE 

 

I. DADOS PESSOAIS

 
NOME COMPLETO: Rejane de Souza
ENDEREÇO RESIDENCIAL: Rua da Integração, 2309 - Nísia Floresta/RN.
TELEFONES PARA CONTATO: 9112-5019

II. FORMAÇÃO ACADÊMICA

a) GRADUAÇÃO
Graduada em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, com habilitação em Língua Portuguesa, Língua Inglesa; Literaturas brasileira, portuguesa e anglo-americana.
b) PÓS-GRADUAÇÃO
Mestra em Literatura Comparada pelo Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem da UFRN.
Tema de estudo: Luiz Gonzaga: poesia do canto e canto da poesia.
Doutoranda em Literatura Comparada pelo Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem da UFRN. (Texto pronto, em fase de defesa)
Ex- Membro da base de pesquisa: Grupo de Pesquisa Ponte Literária de Estudos hispano-brasileiros da UFRN.
c) Graduanda do Curso de Língua e Literatura Espanhola da UFRN.

III. ATUAÇÃO PROFISSIONAL


ÁREA DOCENTE
Atuação como professora de Redação e Língua Portuguesa da Rede Estadual de Ensino do RN.
Atuou como professora de Língua Portuguesa e Redação na Escola Estadual Fco Ivo Cavalcanti.
Professora do 5º a 8º série durante 13 anos na Escola Estadual Dr Manoel Villaça
Atuação como professora-substituta de Literatura Portuguesa pelo Departamento de Letras da UFRN entre 2006 - (Período 1 e 2) e 2007- (Período 1 e 2).
Ministrou Curso de Aperfeiçoamento em Língua Portuguesa para os profissionais de Rádio, TV e Jornalismo, coordenado pelo Sindicato de Rádio, Televisão e Publicidade do RN-SINTRTP/RN. (2003 e 2005).
Professora da UVA (prestação de serviços)- Ministrante de módulos de Produção Textual, Gestão Educacional, Ateliê de Novas Tecnologias, Literatura Brasileira, Teoria da Literatura, Ateliê de Literatura Infanto juvenil, Metodologia de Língua Portuguesa, Metodologia do Trabalho Científico e Trabalho de Conclusão de Curso – TCC - para alunos de Pedagogia e de Português da UVA - Universidade Vale do Acaraú. IBRAPES (Instituto Brasil de Pesquisa e Ensino Superior).
Atuou em Cursos de Formação no Brasil Alfabetizado e Oficinas Pedagógicas (SEMANA PEDAGÓGICA) na área de Linguagem nos seguintes Municípios: Natal, Rodolfo Fernandes, Guamaré, Carnaubais, Carnaúba dos Dantas, Japi, Monte das Gameleiras, Lagoa Dantas, Monte Alegre, Brejinho, Tibau do Sul, Pipa, Espírito Santo, Alto do Rodrigues, Mossoró, Assu, Ipanguassu, Lajes, Angicos e outros.
Atuação como professora formadora nos Cursos de Formação Continuada para Professores da Rede Estadual que atuam na Educação de Jovens e Adultos pela Secretaria da Educação, da Cultura e dos Desportos - SECD/RN, de 2004 a 2006.
Ministrou cursos de Língua Portuguesa para funcionários da clínica médica do Dr. Gutemberg Nóbrega, para Empresa ECOCIL, como também para concursos do Tribunal de Justiça entre outros.
ORIENTAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS
Atuação como orientadora dos trabalhos de conclusão de cursos (TCC) nas turmas de Pedagogia da UVA – Universidade Estadual Vale do Acaraú.
Exerceu a função de Orientadora do TCC de Literatura e Ensino à Distância pelo IFRN (UAB), entre agosto de 2010 a fevereiro de 2011, pelo sistema de bolsa do Programa Formação de Professores do MEC/FNDE.
Orientação do TCC do Curso de Especialização da Educação Infantil da FIP – 2011.
Orientação do TCC do Curso de Especialização em Psicologia Escolar e da Aprendizagem FIP – 2012.
Exerce a função de Orientadora do TCC de Literatura e Ensino à Distância pelo IFRN (UAB) em curso.

ÁREA DE REVISÃO
Atuou como revisora de textos jornalísticos da Redação da Tribuna do Norte, (de 1992 a 2001). Assumiu, também, a Supervisão do setor de Revisão.
Prestou serviços de revisão para o Jornal Cosern sob a responsabilidade da Companhia de Energia Elétrica do RN-COSERN/RN entre 2001 a 2005. E para a Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Parnamirim entre 2005 a 2008 e Dois A Publicidade.

SERVIÇOS DE REVISÃO PRESTADOS A MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO
Atuou como revisora do Manual da Cidadania para Educadores, coordenado pela Promotora Gilka da Mata, 2002.
Atuou como revisora do Estatuto do Idoso - Comentado – coordenado e organizado pela Promotora Naide Maria Pinheiro, 2007.
Atualmente, presta serviços de revisão para a Revista Impressa Deguste, onde também assina a coluna Gastronomia e Cinema.
Autora da elaboração do Documento Base do Plano Estadual do Livro e da Leitura do RN – em processo.
OUTROS
Técnica pedagógica da  Suave – Subcoordenadoria de Avaliação Escolar– Proinfo- TV Escola- RPTV/SEEC/RN. E, atualmente, na CODESE – PROLER/FBN =SEEC/RN.
O PROLER atua na área de fomento à leitura, ao livro e à organização de arquivo, normatização de documentos e acervo para Bibliotecas.
Membro do Comitê do Prêmio Nacional de Referência em Gestão Escolar/ SUAVE/CONSED em 2010.
Membro da Comissão Organizadora do Seminário de Arte e Literatura Barroca do CCHLA/UFRN, em 2010.
IV ATIVIDADES DE ATUALIZAÇÃO PROFISSIONAL

1-   CONGRESSOS

·Participou do VIII CONGRESSO BRASILEIRO DE TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA/V SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LITERATURA, em Campina Grande - no período de 14.09 a 20.09.86, organizado pelo Núcleo de Estudos Lingüísticos e Literários J. Pessoa/Paraíba.
·Participou do IX CONGRESSO BRASILEIRO DE TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA/VII SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE SEMIÓTICA E LITERATURA, em Campina Grande - no período de 18.09 a 24.09.88, promovido pelo Governo do Estado da Paraíba.
·Participou do X CONGRESSO BRASILEIRO DE TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA/IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE SEMIÓTICA E LITERATURA, em Campina Grande/PB - no período de 16.09 a 21.09.90. organizado pelo Núcleo de Estudos Lingüísticos e Literários da Paraíba.
·Participou do IV Congresso Científico da Universidade Potiguar – UnP, no período de 05 a 07 de novembro de 2002, apresentando a Comunicação : Estilo Poético em Asa Branca e o Auto Morte e Vida Severina”. No mesmo Congresso, freqüentou o Minicurso: Cinema Espanhol: por uma poética do desejo. Discutindo a linguagem do texto científico, promovido pela Universidade Potiguar.
·Participou do X Congresso Brasileiro de Professores de Espanhol, realizado no período de 16 a 20 de setembro de 2003, no CEFET em Natal, Rio Grande do Norte.
V.CURSOS

·Participou da 34ª Reunião Anual da Associação nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação com carga horária de 48 horas. Centro de Convenções – Ponta Negra – Natal – RN. Nesse evento, participou do Minicurso: “Potencialidades pedagógicas do erro do aluno no contexto educativo” – 4h/a. na UFRN.
· Participou do Curso de Actualizacíon para Profesores de Español – realizado pela Consejería de Educacíonda Embajada da Espanha e a Secretaria de Educação e Cultura do RN, no período de 30 de julho a 3 de agosto de 2012.
·Participou do Curso de Atualização em Literatura Comparada: “Construção e Desconstrução do épico, Ulisses na Travessia do Grande Sertão”, no período de 09.05 a 10.06.98, promovido pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
·Participou do Curso de Língua e Literatura Populares, no período de 04 a 13.02.1987, promovido pelo Museu Câmara Cascudo.
·Participou do Curso sobre “A Pragmática Lingüística: Introdução à Teoria dos Atos de Linguagem, no período de 15 a 19.08.1988, promovido pelo Departamento de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
·Participou do Curso de Leitura e Literatura, no período de 02 a 10.04.1990, promovido pelo Departamento de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
·Durante o X Congresso Brasileiro de Professores de Espanhol, realizado no período de 16 a 20 de setembro de 2003, participou do minicurso: Poesia y narrativa españolas contemporâneas, ministrado por Sagrario Ruiz y Enrique Rodríguez, promovido pelo CEFET-RN.
·Participou da XI Semana de Humanidades, no período de 19 a 23 de maio de 2003, como aluna do minicurso: Literatura Ibero-americana, promovida pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
·Participou da XII Semana de Humanidades, no período de 12 a 16 de julho de 2004, como aluna do minicurso: Três poetas españoles, três lecciones de poesía, promovida pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
·Participou da XIX Jornada Nacional de Estudos Lingüísticos, realizada na Universidade Federal do Ceará, no período de 04 a 06 setembro de 2002, apresentando a Comunicação: O Estilo Poético em Luiz Gonzaga e João Cabral de Melo Neto.
Participou da XX Jornada Nacional de Estudos Lingüísticos, realizada na Universidade Federal da Paraíba, no período de 07 a 10 setembro de 2004, apresentando a Comunicação Individual: “Saudade, meu remédio é cantar”.
VI SEMANAS, ENCONTROS, SEMINÁRIOS E SIMPÓSIOS

· Participou do XIII Encontro da ABRALIC – Associação Brasileira de Literatura Comparada no período de 10 a 12 de outubro 2012, apresentando o trabalho: “A estética (neo) barroca que verte o sertão” – na Universidade Federal de Campina Grande – PB.
· Participou da XXIV Jornada Nacional do Grupo de Estudos Linguísticos do Nordeste GELNE – apresentando ao trabalho: “ A estética (neo) barroca que reveste o sertão” – realizada pela UFRN, no período de 04 a 07 de setembro de 2012.
· Participou do VII COLÓQUIO DE ESTUDOS BARROCOS no período de 19 a 20 de setembro de 2011, na condição de apresentadora do trabalho “Riobaldo e Diadorim: o gosto pela incerteza” na mesa-redonda Teses Barrocas na UFRN, com carga horária de 4h/a.
· Participou da X Semana de Letras, realizada na Universidade Estadual da Paraíba, Campus III, no período de 11 a 14 de novembro de 2002, apresentando a comunicação: “As Imagens Poéticas no universo musical de Luiz Gonzaga”, promovida pela Universidade Estadual da Paraíba.
·Participou do I Encontro Potiguar de Estudantes de Letras, apresentando a comunicação: “A Eterna Travessia”, no período de 13 a 12.12.90, promovida pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
·Participou do I Encontro de Leitura do Proler, no período de 23 a 25.09.99. promovido pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
·Participou do II Encontro Nacional de Ciências da Linguagem Aplicadas ao Ensino, na Universidade Federal da Paraíba/CCHLA, no período de 07 a 10.09.2003, apresentando a comunicação: “Travessia do ‘Nonada’ pelo Grande Sertão”, promovida pela Universidade Federal da Paraíba.
·Participou do IV Encontro Potiguar de Adolescentes e do I Encontro Regional de Adolescentes do Nordeste, ministrando a oficina Literatura de Cordel, no período de 25 a 27.07.2003, promovida pela OnG Canto Jovem.
·Participou do I Seminário: “Educação e Leitura”, promovido pelo Departamento de Educação da UFRN, no período de 07 a 10 de novembro de 1995.
·Participou do II Seminário: “Educação e Leitura”, promovido pelo Departamento de Educação da UFRN, no período de 03 a 07 de novembro de 1997.
·Participou do V Seminário Nacional Mulher & Literatura, realizado na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, no período de 1 a 03 de setembro de 1993.
·Participou do X Seminário de Letras e VI Encontro de Iniciação Científica promovidos pela Universidade Potiguar, apresentando a comunicação: “A Linguagem Poética e suas singularidades nas Veredas do Grande Sertão, no período no dia 29 de novembro de 2002.
·Participou do I Seminário de Literatura Ibero-Americana com o tema: “A Carta de Caminha e seus ecos, ministrado pela professora-doutora do Centro de Estudos Brasileiros da Universidade de Coimbra, Maria Aparecida Ribeiro, no dia 30 de junho de 2004, na cidade de Natal, promovido na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, no dia 30 de junho de 2004.
·Participou do Simpósio de Leitura do Rio Grande do Norte como aluna do minicurso: Poesia: prazer em conhecer, promovido pelo Departamento de Educação da UFRN, no período de 12 a 13 de setembro de 2002.

ORIENTAÇÕES DE TRABALHO E CONCLUSÃO DE CURSO –TCC

·Orientadora do TCC do Curso de Especialização em Literatura e Ensino na modalidade a distancia, intitulado O papel da Literatura Infantil na Sala de aula, apresentado pelo especializando Darcílio Carlos de Souza, no dia 12 de dezembro de 2011 – no IFRN – através do Programa Universidade Aberta do Brasil –UAB – Pólo Caraúbas- RN.

·Orientadora do TCC do Curso de Especialização em Literatura e Ensino na modalidade a distancia, intitulado O Estímulo e Desenvolvimento da leitura através dos Contos de Fada, apresentado pela especializanda Luiza Maria de Souza Alves, no dia 14 de dezembro de 2011 – no IFRN – através do Programa Universidade Aberta do Brasil –UAB – Pólo Grossos- RN.

·Participou como examinadora TCC do Curso de Especialização em Literatura e Ensino na modalidade a distancia, intitulado O Hábito de ler: Uma Prática Indispensável no Processo de Construção da Leitura, apresentado pela especializanda Maria Edineide de Queiroz da Silva, no dia 13 de dezembro de 2011 – no IFRN – através do Programa Universidade Aberta do Brasil –UAB – Pólo Marcelino Vieira- RN.

·Participou como examinadora TCC do Curso de Especialização em Literatura e Ensino na modalidade a distancia, intitulado Literatura Infantil: O Gênero Poesia e sua Contribuição na Construção do Imaginário, apresentado pela especializanda Jadete Rodrigues de Lima, no dia 13 de dezembro de 2011 – no IFRN – através do Programa Universidade Aberta do Brasil –UAB – Pólo Marcelino Vieira- RN.

·Participou como examinadora TCC do Curso de Especialização em Literatura e Ensino na modalidade a distancia, intitulado: A importância da Literatura Infantil: O Gênero Poesia e suas Contribuições para o Desenvolvimento da Criança, apresentado pela especializanda Fabrícia Élida Dantas do Vale, no dia 12 de dezembro de 2011 – no IFRN – através do Programa Universidade Aberta do Brasil –UAB – Pólo Caraúbas- RN
VII.PUBLICAÇÕES

Já publicou vários artigos ligados à literatura nos principais jornais da cidade, como o Jornal Tribuna do Norte, Jornal de Hoje e o Mossorense. E tendo, ainda, um ensaio literário publicado no segundo número da Revista PreÁ da Fundação José Augusto, além de resumos em Anais.
Ensaio sobre “Saudades, meu remédio é cantar”: cantares do amor perdido num trovador sertanejo”. Texto publicado na Revista Parlare – Revista da Pós-graduação da UVA v1.n.1 jan/dez 2008 .ISSN 1983-9383.
Artigo “A pérola irregular do sertão” Publicado no livro “Estudos Barrocos”, organizado por Francisco Ivan da Silva. Natal/ RN- Edfurn, 2008.
É colunista do site http://www.gostodeler.com.br e da Revista Deguste:
Sites onde publica textos ligados à literatura, educação e atualidades.