terça-feira, 18 de janeiro de 2011

A EXPRESSÃO POÉTICA DE FLAUZINEIDE NEIDINHA MOURA

Em viagem ao interior encontrei esse belíssimo galo que cantava muito e lembrei desse poema do meu Poética Minha - 1º livro - 2002

Extremos

Muitos querem um carrão,
Uma mansão, avião,
Que prazer contatar máquina?
Pedras, mármore, torrão?!















Eu quero apenas uma flor,
Uma casinha à beira mar;
No “quintal”, um galinheiro;
E um belo galo a cantar.


Outros querem o poder,
Sucesso, fama e glória,
Que paz há nessa guerra,
De passageira “vitória”?

Eu só quero alegria,
Sossego, felicidade.
Muita saúde, euforia,
E combater a maldade.

Há gente que sai pisando,,
Em quem passa a sua frente,
São seres insensíveis,
Coitada dessa gente!...

Eu quero cantar, ser livre,
Meus sonhos embalar;
Eles são minha esperança,
Meu mundo, meu céu, meu mar...