quinta-feira, 13 de março de 2014

A HOMENAGEM DO ESCRITOR CIRO JOSÉ TAVARES AO CARNAVALESCO DOSINHO



                    O ÚLTIMO CARNAVAL
        

Entre o imponderável e a esperança caminhou acima d o fio da navalha e nós o ladeávamos com nossas orações. Esse tempo estressante lembrava-me, todas as manhãs, o verso da Balada do Cárcere de Reading “nunca homem vi que contemplasse tão ansioso a luz do dia.”
A morte de Claudionor Batista de Oliveira, o nosso Dosinho, é um golpe que atinge toda uma cidade e entristece as almas sensíveis de minha geração, pois não conheço ninguém que, nos carnavais dos anos cinquenta, não tivesse, nas ruas e nos salões dos clubes, cantado suas músicas que nos levavam, sob jatos de lança – perfumes, coloridos pedacinhos de confete e rolos de serpentinas, pelo meio da turba enlouquecida.
Faz um bom tempo em que nos encontramos. Foi no dia em que a Câmara Municipal de Natal outorgou-lhe o título de cidadão natalense. Estava na companhia de Leide Camara, amiga fidelíssima de todos os momentos. No rosto o sorriso franco, a simpatia irradiante. Adormecido numa UTI de um hospital, indiferente as coisas que circulavam externamente, podia estar, pela vontade do Pai do Tempo, sonhando como o carnaval que lá fora acontecia, o derradeiro, enquanto aguardava a vinda de uma legião de anjos para conduzi-lo à presença de Deus. Quero guardar de Dosinho a alegria cativante e uma lembrança que não se perderá na minha memória. Viajou à sua nova dimensão, na véspera do Dia Nacional da Poesia, a última de suas premiações.