domingo, 2 de março de 2014

MEU MAIS NOVO CORDEL - INSPIRADO NAS AÇÕES DO NEEPDH/SEEC



  VÍCIO QUE MATA

Aos jovens dessa nação
Atenção vou lhes falar
De uma temática em voga
Que esta em todo lugar
Falo da droga maldita
Que ai está pra matar.

Aqui como educadora
Do que falo consciente
Passando informações
De um mal hoje frequente
Que deixa o cidadão
Pobre, incapaz, dependente.

Droga é tudo que vicia
Vai te desestruturar
Acabando com vida
De quem costuma usar
Seja lá que droga for
Melhor nem experimentar.

Cigarro, álcool maconha.
O tal crack e muito mais
São as portas de entrada
Que deixa o cara incapaz
Fuja disso meu querido
São coisas de satanás.

Antes crack era o sabido
O intelectual o capaz
Agora é nome de droga
Mata ligeiro demais
Roubando-lhe a própria vida
Levando-te para traz

Crack quebra a pessoa
Deixando-o coro e osso
Esquelético e fedorento
Imbecilizado grosso
E assim atordoado
Vais ao fundo do poço.

A família é quem sofre
Por erro do submisso
Coitado sem consciência
Fica a mercê do seu vicio
Escravizado vencido.
Vivendo só para isso


A mercê dos traficantes
Esses sujeitos insanos
De mente mui assassinas
Que destrói seres humanos
Não se importam com ninguém
Executam os seus planos

Assassinos frios e cruéis
São os bandidos do tráfico
As famílias têm sofrido
Com esse tipo de prática
A  policia bem que tenta
Mas acaba sempre fracasso.

A lei para os traficantes
Estão bem inoperantes
Pois os bandidos políticos
Arranjam brechas pra tudo
Votando leis que asseguram
O bandido ficar impune.

As pessoas estão submersa
Num mundo sem Deus e sem paz
Buscam prazeres diversos
Ate o que não apraz
Encontrando  várias desculpas
Para a droga consumir

Estimular, acalmar
Ficar acordado, dormir
Emagrecer,  engordar
Esquecer, memorizar
Fugir ou enfrentar
Inebriar inspirar

Sentir prazer, ritual...
Aliviar dores, tensões...
Até angustias também
Aguentar situações
Tudo isso  tem valido
Para a droga poder usar.


Assim como podemos vê
Os motivos são diversos
Livre-se  enquanto pensa
Química não faz bem a ninguém
Brade bem alto dizendo:
Drogas? Vivo melhor sem elas!


Revisão técnica do cordelista Ed Santos
o poeta atleta da SPVA/RN