sábado, 12 de outubro de 2013

A LITERATURA DO CIRO JOSÉ TAVARES - BRASILIA/DF



                    A LUZ ENTRE MAL NASCIDOS
                 


                                      
                                                
                    Antes que suas mãos estivessem debruçadas sobre livros e escritos, construíram as pontes da sobrevivência interligando os momentos de dificuldades aos caminhos do paraíso que sonhava percorrer. Seu pai foi como raio de sol passando pela vidraça para esvair-se nas sombras. Sua mãe, Maria, a humilde imigrante portuguesa, vocacionada para tarefas domésticas nas casas mais afortunadas, não podia manter-se, nem ao filho se dispensasse a ajuda preciosa do menino mal nascido.
                     Poderia compará-lo a uma dúzia de heróis da literatura universal. Seria o personagem de Eugene O'Neill contemplando sombrio entardecer e refletindo: "não há presente, nem futuro. Só o passado acontece e torna a acontecer, agora".Ou Judas Fawley, o obscuro, de Thomas Hardy, que ávido de leituras sonhava com as escrivaninhas de Christminster, seus livros e quartos clareados por bruxuleantes lamparinas. Talvez o velho marinheiro da balada de Coleridge, que por muito tempo, mar afora, sentia o inimigo cruel seguir-lhe os passos e repetia para si mesmo como se fosse prece diuturna: "Girando ao redor da noite, o fogo da morte dança; qual óleo de feiticeiras a água ferve, verde, azul e branca".
                    Quando o conheci já a tempestade da doença desabara sobre sua vida. Lentamente a matéria esgarçava-se enquanto crescia a teimosia do espírito. Transitando nos frios e indiferentes corredores da Câmara dos Deputados, sua figura quase mítica parecia flutuar impulsionada pela derradeira lufada de vento. Era o velho engraxate, o antigo barbeiro, o mesmo garçom disciplinado, fragmentado e somado num só corpo, vivendo odisséia permanente.
                    Sua vitoriosa trajetória depois que alcançou os livros para educar-se, informa o fenômeno que foi Florestan Fernandes. Sem poder cumprir seus primeiros anos de estudo dentro do sistema formal e regular de educação, chega à universidade depois de prestar exames de madureza correspondentes aos primeiro e segundo graus de ensino. Imagino as noites alongadas, o esforço hercúleo para quebrar as algemas da fadiga impostas pelas atividades exigidas no mercado informal de trabalho que atendia. Quem sabe não terá vezes repetidas adormecido sobre páginas sonhando com leões libertos nas clareiras africanas, semelhante ao velho Santiago de Hemingway que para derrotar o espadarte sacrificava as mãos e cochilava recostado nas bordas e remos  do seu barco, enquanto mergulhava  momentaneamente no mistério. Não obstante as atribulações, sua admissão universitária foi surpreendente. Num grupo de 29 candidatos classificou-se entre os primeiros e aos 25 anos publicava o primeiro dos seus 56 livros, o que torna indiscutível sua contribuição ao pensamento brasileiro, analisando e propondo saídas sobre questões em torno da organização social e política de uma nação.
                    Tudo o que for dito acerca de Florestan Fernandes parecerá muito pouco. Seus momentos como pai de seis filhos, avô e bisavô e que ainda encontra tempo para escrever "A Revolução Burguesa", "O Negro no Mundo dos Brancos", "Reforma ou Revolução", "Educação e Sociedade no Brasil", "Brasil: Em Compasso de Espera", todas escritas sem a presunção de ser proprietário de nenhuma verdade que não fosse possível de ser comprovada por realidades concretas. Excluído no princípio, converteu-se por vontade própria e graças à sua inteligência num precioso intelectual. O golpe de 1964 determinou sua expulsão da USP, retirando-lhe a cidadania. O exílio que muitas vezes mata de melancolia não conseguiu destrui-lo e acabou fortalecendo suas crenças, fê-lo conhecido para ser reverenciado no Canadá, Holanda e Portugal onde, em Coimbra, viu estudantes e mestres estenderem sobre seus ombros cansados e saudosos as capas da tradição e as vestes professorais. Por ironia do destino ao contrário de Fernando Henrique Cardoso, considerado seu discípulo mais renomado, angústias e violências jamais o induziram a revisar suas teses acadêmicas, substituindo-as por conceitos neo liberais. Político por convicção, veio ao Parlamento na Constituinte para engajar-se na luta dos trabalhadores defendendo com redobrado empenho duas de suas bandeiras mais expressivas: a educação como forma de liberdade e a questão das minorias raciais. Sem ódios e sem ressentimentos abandonou a vida pública para regressar definitivamente ao corpo da família e tentar concluir sua 57a. obra, que lamentavelmente deixou inacabada.
                    Florestan Fernandes ou simplesmente Florestan, uma dessas jóias que transformamos em lenda guardando para sempre. Companheiro das Parcas nunca se deu conta da "hora de abrigar-se do sol, a hora do seu crepúsculo e da sua queda dolorosa". Átropos fez-lhe a messe numa solitária UTI de hospital e como Pequeno Príncipe "tombou devagarzinho como uma árvore tomba".
                     Gostaria de imaginá-lo, sempre, astro luminoso que não morrerá de todo, dizendo confiante à lua vespertina: "Não demora ou serás parte do mistério, quando desconhecido venha inesperado ceifar minhas roseiras. Corre sem tardar no fictício azul, pálida janela. Tenho pressa, antes que me façam átomo disperso na sombria noite do universo".





.