quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

II MARATONA POTIGUAR DE CONTAÇÃO DE HISTÓRIA - CONVITE


Evento CULTURAL que se constitui de: SOLIDARIEDADE para gerar ALEGRIA,
CONHECIMENTOS e PAZ!!!
Com entrada gratuita, este evento acontecerá nos dias 19, 20 e 21 de março de 2014, no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia - Campus Cidade Alta, Natal/RN - Brasil, onde as histórias serão contadas por professores, poetas e demais voluntários dos mais diversos segmentos sociais.
Maratona Potiguar de Contação de Histórias: Evento idealizado pela contadora de histórias: Daluzinha Avlis, para encantar, educar e transformar vidas! Faça você também parte dessa história!
Para quem quiser ser um voluntário acessem o Facebook da Daluzinha Avlis e entre em contato com ela:
https://www.facebook.com/daluzinha.avlis?hc_location=stream

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

O RN TEM PROPOSTA PIONEIRA DE ENSINO MEDIO NOTURNO



O que é o ensino noturno diferenciado.
 É uma proposta curricular com identidade própria, pioneira no Brasil e que contempla as especificidades do trabalhador estudante na  busca por uma educação que possibilite a permanência do estudante na escola, assim como o seu desenvolvimento e a sua formação para a vida e, para o trabalho. A proposta enfatiza a reformulação curricular para este turno de ensino, com foco nas peculiaridades dos estudantes do turno noturno, conforme previsto no Art. 4º, inciso VI da LDB nº 9.394/96 que assegura como dever do Estado a “oferta de ensino noturno regular, adequado às condições do educando”.
O DIFERENCIAL DA PROPOSTA:
Organização Curricular
. Blocos semestrais;
. Carga horária do curso – 2.400h – 1.800h de atividades presenciais – Base Legal – obrigatória + 600h de atividades vivenciais ofertadas por meio de um projeto interdisciplinar.
.  Aula em bloco por área de conhecimento;
.  02 tempos de 90 minutos correspondente a 04 aulas de 45 minutos (ex. 2 aulas de Biologia e 02 aulas de Química);
.  Carga horária anual: 800 horas (200 dias x 3 horas = 600 horas presenciais + 200 horas de atividades complementares).
.  Formação continuada para os professores;
.  Desenvolvimento de projeto interdisciplinar para Mostra Científica ao final de cada semestre.
 
As Orientações Curriculares para o Ensino Médio Noturno Diferenciado (EMND) tem a pesquisa como princípio pedagógico com ênfase na iniciação científica e pesquisa, na leitura, no letramento e na cultura digital de forma articulada, além de incluir a interdisciplinaridade e a contextualização como possibilidades para integrar as áreas de conhecimento, e, assim, promover o ensino-aprendizagem dos educandos. Esta interrelação deve considerar o planejamento pedagógico com as perspectivas de forma a integrar os professores em cada bloco e áreas de conhecimento, e, também ter neste currículo o trabalho como princípio educativo articulando-se as atividades propostas. A oferta das atividades e aulas complementares/integradoras, desenvolvidos em momentos vivenciais deve estimular a responsabilidade, o senso crítico e autonomia do estudante, destacando que, toda ação metodológica desenvolvida na escola deve ter como princípio básico o diagnóstico do perfil do trabalhador estudante para com isso, superar desafios e garantir a produção do conhecimento e  transformação social.

A ideia nasceu  em 2006, foi implantado em 11 escolas em 2007. A partir de 2010 houve a expansão para 35, 2012 para mais 35 e 2014 para toda a rede. O RN serviu de referencia para o Estado do Paraná, Ceará e ainda recebeu a visita de técnicos do Rio Janeiro, para conhecer a proposta.

As dificuldades enfrentadas pelo ensino noturno são:

. Acesso e permanência e o direito à aprendizagem
. Ampliar o acesso da faixa etária acima de 18 anos com a garantia das mesmas condições do diurno.
. Ampliar ações de superação da distorção idade-série.
. Consolidar a identidade e a organização curricular desta etapa educacional.

Números do ensino  noturno no Estado em  2013 -  Cerca de 87.278 e uma evasão de 17,3%.

Fonte: SEEC/SUEM

domingo, 26 de janeiro de 2014

ARTIGO SOBRE A COPA - ANTONIO LASSANCE

Antonio Lassance

 

transcrevo na íntegra, vale a pena ser repassado, todo brasileiro deve ler esse artigo.

Vai ter Copa: argumentos para enfrentar quem torce contra o Brasil


Como a desinformação alimenta o festival de besteiras ditas contra a Copa do Mundo de Futebol no Brasil.





Profetas do pânico: os gupos que patrocinam a campanha anticopa

Existe uma campanha orquestrada contra a Copa do Mundo no Brasil. A torcida para que as coisas deem errado é pequena, mas é barulhenta e até agora tem sido muito bem sucedida em queimar o filme do evento.

Tiveram, para isso, uma mãozinha de alguns governos, como o do estado do Paraná e da prefeitura de Curitiba, que deram o pior de todos exemplos ao abandonarem seus compromissos com as obras da Arena da Baixada, praticamente comprometida como sede.

A arrogância e o elitismo dos cartolas da Fifa também ajudaram. Aliás, a velha palavra “cartola” permanece a mais perfeita designação da arrogância e do elitismo de muitos dirigentes de futebol do mundo inteiro.

Mas a campanha anticopa não seria nada sem o bombardeio de informação podre patrocinado pelos profetas do pânico.

O objetivo desses falsos profetas não é prever nada, mas incendiar a opinião pública contra tudo e contra todos, inclusive contra o bom senso.

Afinal, nada melhor do que o pânico para se assassinar o bom senso.

Como conseguiram azedar o clima da Copa do Mundo no Brasil

O grande problema é quando os profetas do pânico levam consigo muita gente que não é nem virulenta, nem violenta, mas que acaba entrando no clima de replicar desinformações, disseminar raiva e ódio e incutir, em si mesmas, a descrença sobre a capacidade do Brasil de dar conta do recado.

Isso azedou o clima. Pela primeira vez em todas as copas, a principal preocupação do brasileiro não é se a nossa seleção irá ganhar ou perder a competição.

A campanha anticopa foi tão forte e, reconheçamos, tão eficiente que provocou algo estranho. Um clima esquisito se alastrou e, justo quando a Copa é no Brasil, até agora não apareceu aquela sensação que, por aqui, sempre foi equivalente à do Carnaval.

Se depender desses Panicopas (os profetas do pânico na Copa), essa será a mais triste de todas as copas.

“Hello!”: já fizemos uma copa antes

Até hoje, os países que recebem uma Copa tornam-se, por um ano, os maiores entusiastas do evento. Foi assim, inclusive, no Brasil, em 1950. Sediamos o mundial com muito menos condições do que temos agora.

Aquela Copa nos deixou três grandes legados. O primeiro foi o Maracanã, o maior estádio do mundo – que só ficou pronto faltando poucos dias para o início dos jogos.

O segundo, graças à derrota para o Uruguai (“El Maracanazo”), foi o eterno medo que muitos brasileiros têm de que as coisas saiam errado no final e de o Brasil dar vexame diante do mundo - o que Nélson Rodrigues apelidou de “complexo de vira-latas”,  a ideia de que o brasileiro nasceu para perder, para errar, para sofrer.

O terceiro legado, inestimável, foi a associação cada vez mais profunda entre o futebol e a imagem do país. O futebol continua sendo o principal cartão de visitas do Brasil – imbatível nesse aspecto.

O cartunista Henfil, quando foi à China, em 1977, foi recebido com sorrisos no rosto e com a única palavra que os chineses sabiam do Português: “Pelé” (está no livro “Henfil na China”, de 1978).

O valor dessa imagem para o Brasil, se for calculada em campanhas publicitárias para se gerar o mesmo efeito, vale uma centena de Maracanãs.

Desinformação #1: o dinheiro da Copa vai ser gasto em estádios e em jogos de futebol, e isso não é importante

O pior sobre a Copa é a desinformação. É da desinformação que se alimenta o festival de besteiras que são ditas contra a Copa.

Não conheço uma única pessoa que fale dos gastos da Copa e saiba dizer quanto isso custará para o Brasil. Ou, pelo menos, quanto custarão só os estádios. Ou que tenha visto uma planilha de gastos da copa.

A “Copa” vai consumir quase 26 bilhões de reais.

A construção de estádios (8 bi) é cerca de 30% desse valor.

Cerca de 70% dos gastos da Copa não são em estádios, mas em infraestrutura, serviços e formação de mão de obra.

Os gastos com mobilidade urbana praticamente empatam com o dos estádios.

O gastos em aeroportos (6,7 bi), somados ao que será investido pela iniciativa privada (2,8 bi até 2014) é maior que o gasto com estádios.

O ministério que teve o maior crescimento do volume de recursos, de 2012 para 2013, não foi o dos Esportes (que cuida da Copa), mas sim a Secretaria da Aviação Civil (que cuida de aeroportos).

Quase 2 bi serão gastos em segurança pública, formação de mão de obra e outros serviços.

Ou seja, o maior gasto da Copa não é em estádios. Quem acha o contrário está desinformado e, provavelmente, desinformando outras pessoas.

Desinformação #2: se deu mais atenção à Copa do que a questões mais importantes

Os atrasos nas obras pelo menos serviram para mostrar que a organização do evento não está isenta de problemas que afetam também outras áreas. De todo modo, não dá para se dizer que a organização da Copa teve mais colher de chá que outras áreas.

Certamente, os recursos a serem gastos em estádios seriam úteis a outras áreas. Mas se os problemas do Brasil pudessem ser resolvidos com 8 bi, já teriam sido.

Em 2013, os recursos destinados à educação e à saúde cresceram. Em 2014, vão crescer de novo.

Portanto, o Brasil não irá gastar menos com saúde e educação por causa da Copa. Ao contrário, vai gastar mais. Não por causa da Copa, mas independentemente dela.

No que se refere à segurança pública, também haverá mais recursos para a área. Aqui, uma das razões é, sim, a Copa.

Dados como esses estão disponíveis na proposta orçamentária enviada pelo Executivo e aprovada pelo Congresso (nas referências ao final está indicado onde encontrar mais detalhes). 

Se alguém quiser ajudar de verdade a melhorar a saúde e a educação do país, ao invés de protestar contra a Copa, o alvo certo é lutar pela aprovação do Plano Nacional de Educação, pelo cumprimento do piso salarial nacional dos professores, pela fixação de percentuais mais elevados e progressivos de financiamento público para a saúde e pela regulação mais firme sobre os planos de saúde.

Se quiserem lutar contra a corrupção, sugiro protestos em frente às instâncias do Poder Judiciário, que andam deixando prescrever crimes sem o devido julgamento, e rolezinhos diante das sedes do Ministério Público em alguns estados, que andam com as gavetas cheias de processos, sem dar a eles qualquer andamento.

Marchar em frente aos estádios, quebrar orelhões públicos e pichar veículos em concessionárias não tem nada a ver com lutar pela saúde e pela educação.

Os estádios, que foram malhados como Judas e tratados como ícones do desperdício, geraram, até a Copa das Confederações, 24,5 mil empregos diretos. Alto lá quando alguém falar que isso não é importante.

Será que o raciocínio contra os estádios vale para a também para a Praça da Apoteose e para todos os monumentos de Niemeyer? Vale para a estátua do Cristo Redentor? Vale para as igrejas de Ouro Preto e Mariana?

Havia coisas mais importantes a serem feitas no Brasil, antes desses monumentos extraordinários. Mas o que não foi feito de importante deixou de ser feito porque construíram o bondinho do Pão-de-Açúcar?

Até mesmo para o futebol, o jogo e o estádio são, para dizer a verdade, um detalhe menos importante. No fundo, estádios e jogos são apenas formas para se juntar as pessoas. Isso sim é muito importante. Mais do que alguns imaginam.

Desinformação #3: O Brasil não está preparado para sediar o mundial e vai passar vexame

Se o Brasil deu conta da Copa do Mundo em 1950, por que não daria conta agora?

Se realizou a Copa das Confederações no ano passado, por que não daria conta da Copa do Mundo?

Se recebeu muito mais gente na Jornada Mundial da Juventude, em uma só cidade, porque teria dificuldades para receber um evento com menos turistas, e espalhados em mais de uma cidade?

O Brasil não vai dar vexame, quando o assunto for segurança, nem diante da Alemanha, que se viu rendida quando dos atentados terroristas em Munique, nos Jogos Olímpicos de Verão de 1972; nem diante dos Estados Unidos, que sofreu atentados na Maratona Internacional de Boston, no ano passado.

O Brasil não vai dar vexame diante da Itália, quando o assunto for a maneira como tratamos estrangeiros, sejam eles europeus, americanos ou africanos.

O Brasil não vai dar vexame diante da Inglaterra e da França, quando o assunto for racismo no futebol. Ninguém vai jogar bananas para nenhum jogador, a não ser que haja um Panicopa no meio da torcida.

O Brasil não vai dar vexame diante da Rússia, quando o assunto for respeito à diversidade e combate à homofobia.

O Brasil não vai dar vexame diante de ninguém quando o assunto for manifestações populares, desde que os governadores de cada estado convençam seus comandantes da PM a usarem a inteligência antes do spray de pimenta e a evitar a farra das balas de borracha.

Podem ocorrer problemas? Podem. Certamente ocorrerão. Eles ocorrem todos os dias. Por que na Copa seria diferente? A grande questão não é se haverá problemas. É de que forma nós, brasileiros, iremos lidar com tais problemas.

Desinformação #4: os turistas estrangeiros estão com medo de vir ao Brasil

De tanto medo do Brasil, o turismo para o Brasil cresceu 5,6% em 2013, acima da média mundial. Foi um recorde histórico (a última maior marca havia sido em 2005).

Recebemos mais de 6 milhões de estrangeiros. Em 2014, só a Copa deve trazer meio milhão de pessoas.

De quebra, o Brasil ainda foi colocado em primeiro lugar entre os melhores países para se visitar em 2014, conforme o prestigiado guia turístico Lonely Planet (“Best in Travel 2014”, citado nas referências ao final).

Adivinhe qual uma das principais razões para a sugestão? Pois é, a Copa.


Desinformação #5: a Copa é uma forma de enganar o povo e desviá-lo de seus reais problemas

O Brasil tem de problemas que não foram causados e nem serão resolvidos pela Copa.

O Brasil tem futebol sem precisar, para isso, fazer uma copa do mundo. E a maioria assiste aos jogos da seleção sem ir a estádios.

Quem quiser torcer contra o Brasil que torça. Há quem não goste de futebol, é um direito a ser respeitado. Mas daí querer dar ares de “visão crítica” é piada.

Desinformação #6: muitas coisas não ficarão prontas antes da Copa, o que é um grave problema

É verdade, muitas coisas não ficarão prontas antes da Copa, mas isso não é um grave problema. Tem até um nome: chama-se “legado”.

Mas, além do legado em infraestrutura para o país, a Copa provocou um outro, imaterial, mas que pode fazer uma boa diferença.

Trata-se da medida provisória enviada por Dilma e aprovada pelo Congresso (entrará em vigor em abril deste ano), que limita o tempo de mandato de dirigentes esportivos.

A lei ainda obrigará as entidades (não apenas de futebol) a fazer o que nunca fizeram: prestar contas, em meios eletrônicos, sobre dados econômicos e financeiros, contratos, patrocínios, direitos de imagem e outros aspectos de gestão. Os atletas também terão direito a voto e participação na direção. Seria bom se o aclamado Barcelona, de Neymar, fizesse o mesmo.

Estresse de 2013 virou o jogo contra a Copa

Foi o estresse de 2013 que virou o jogo contra a Copa. Principalmente quando aos protestos se misturaram os críticos mascarados e os descarados.

Os mascarados acompanharam os protestos de perto e neles pegaram carona, quebrando e botando fogo. Os descarados ficaram bem de longe, noticiando o que não viam e nem ouviam; dando cartaz ao que não tinha cartaz; fingindo dublar a “voz das ruas”, enquanto as ruas hostilizavam as emissoras, os jornalões, as revistinhas e até as coitadas das bancas.

O fato é que um sentimento estranho tomou conta dos brasileiros. Diferentemente de outras copas, o que mais as pessoas querem hoje saber não é a data dos jogos, nem os grupos, nem a escalação dos times de cada seleção. 

A maioria quer saber se o país irá funcionar bem e se terá paz durante a competição. Estranho.

É quase um termômetro, ou um teste do grau de envenenamento a que uma pessoa está acometida. Pergunte a alguém sobre a Copa e ouça se ela fala dos jogos ou de algo que tenha a ver com medo. Assim se descobre se ela está empolgada ou se sentou em uma flecha envenenada deixada por um profeta do apocalipse.

Todo mundo em pânico: esse filme de comédia a gente já viu

Funciona assim: os profetas do pânico rogam uma praga e marcam a data para a tragédia acontecer. E esperam para ver o que acontece. Se algo “previsto” não acontece, não tem problema. A intenção era só disseminar o pânico e o baixo astral mesmo.

O que diziam os profetas do pânico sobre o Brasil em 2013?  Entre outras coisas:

Que estávamos à beira de um sério apagão elétrico.

Que o Brasil não conseguiria cumprir sua meta de inflação e nem de superávit primário.

Que o preço dos alimentos estava fora de controle.

Que não se conseguiria aprontar todos os estádios para a Copa das Confederações.

O apagão não veio e as termelétricas foram desligadas antes do previsto. A inflação ficou dentro da meta. A inflação de alimentos retrocedeu. Todos os estádios previstos para a Copa das Confederações foram entregues.

Essas foram as profecias de 2013. Todas furadas.

Cada ano tem suas previsões malditas mais badaladas. Em 2007 e 2008, a mesma turma do pânico dizia que o Brasil estava tendo uma grande epidemia de febre amarela. Acabou morrendo mais gente de overdose de vacina do que de febre amarela, graças aos profetas do pânico.

Em 2009 e 2010, os agourentos diziam que o Brasil não estava preparado para enfrentar a gripe aviária e nem a gripe “suína”, o H1N1. Segundo esses especialistas em catástrofes, os brasileiros não tinham competência nem estrutura para lidar com um problema daquele tamanho. Soa parecido com o discurso anticopa, não?

O cataclismo do H1N1 seria gravíssimo. Os videntes falavam aos quatro cantos que não se poderia pegar ônibus, metrô ou trem, tal o contágio. Não se poderia ir à escola, ao trabalho, ao supermercado. Resultado? Não houve epidemia de coisa alguma.

Mas os profetas do pânico não se dão por vencidos. Eles são insistentes (e chatos também). Quando uma de suas profecias furadas não acontece, eles simplesmente adiam a data do juízo final, ou trocam de praga.

Agora, atenção todos, o próximo fim do mundo é a Copa. “Imagina na Copa” é o slogan. E há muita gente boa que não só reproduz tal slogan como perde seu tempo e sua paciência acreditando nisso, pela enésima vez.

Para enfrentar o pessoal que é ruim da cabeça ou doente do pé

O pânico é a bomba criada pelos covardes e pulhas para abater os incautos, os ingênuos e os desinformados.

Só existe um antídoto para se enfrentar os profetas do pânico. É combater a desinformação com dados, argumentos e, sobretudo, bom senso, a principal vítima da campanha contra a Copa.

Informação é para ser usada. É para se fazer o enfrentamento do debate. Na escola, no trabalho, na família, na mesa de bar.

É preciso que cada um seja mais veemente, mais incisivo e mais altivo que os profetas do pânico. Eles gostam de falar grosso? Vamos ver como se comportam se forem jogados contra a parede, desmascarados por uma informação que desmonta sua desinformação.

As pessoas precisam tomar consciência de que deixar uma informação errada e uma opinião maldosa se disseminar é como jogar lixo na rua.

Deixar envenenar o ambiente não é um bom caminho para melhorar o país.

A essa altura do campeonato, faltando poucos meses para a abertura do evento, já não se trata mais de Fifa. É do Brasil que estamos falando.

É claro que as informações deste texto só fazem sentido para aqueles para quem as palavras “Brasil” e “brasileiros” significam alguma coisa.

Há quem por aqui nasceu, mas não nutre qualquer sentimento nacional, qualquer brasilidade; sequer acreditam que isso existe. Paciência. São os que pensam diferente que têm que mostrar que isso existe sim.

Ter orgulho do país e torcer para que as coisas deem certo não deve ser confundido com compactuar com as mazelas que persistem e precisam ser superadas. É simplesmente tentar colocar cada coisa em seu lugar.

Uma das maneiras de se colocar as coisas no lugar é desmascarar oportunistas que querem usar da pregação anticopa para atingir objetivos que nunca foram o de melhorar o país.

O pior dessa campanha fúnebre não é a tentativa de se desmoralizar governos, mas a tentativa de desmoralizar o Brasil.

É preciso enfrentar, confrontar e vencer esse debate. É preciso mostrar que esse pessoal que é profeta do pânico é ruim da cabeça ou doente do pé.

(*) Antonio Lassance é doutor em Ciência Política e torcedor da Seleção Brasileira de Futebol desde sempre.

Mais sobre o assunto:

A Controladoria Geral da União atualiza a planilha com todos os gastos previstos para a Copa, os já realizados e os por realizar, em seu portal:


Os dados do orçamento da União estão disponíveis na proposta orçamentária enviada pelo Executivo e aprovada pelo Congresso. 

O “Best in Travel 2014”, da Lonely Planet, pode ser conferido aqui.

Sobre copa e anticopa, vale a pena ler o texto do Flávio Aguiar, “Copa e anti-copa”, aqui na Carta Maior:

Sobre o catastrofismo, também do Flávio Aguiar: “Reveses e contrariedades para a direita”, na Carta Maior.

Sobre os protestos de junho e a estratégia da mídia, leiam o texto do prof. Emir Sader, "Primeiras reflexões".
fonte: carta maior
|

sábado, 25 de janeiro de 2014

GOVERNO DO RN ANUNCIA REAJUSTE DE 8,32% PARA PROFESSORES E OUTRAS PROVIDÊNCIAS





A secretária de Educação, Betânia Ramalho, declarou ontem, em reunião com os chefes de DIRED as reivindicações que foram atendidas pela Governadora Rosalba Ciarline (DEM). Na pauta da reunião, a satisfação do anuncio: Reajuste de 8,32% para professores ativos e inativos da rede estadual de ensino; pagamento de uma letra em fevereiro, retroativo a janeiro; e a confirmação do pagamento de terço de férias; encaminhamento a Consultoria Geral do Estado o projeto de lei que altera o porte das escolas da rede estadual. Os projetos serão encaminhados à Assembleia Legislativa tão logo o ano legislativo seja iniciado.
Num um balanço significativo, Betânia Ramalho adiantou que, além da progressão horizontal, já foram pagos quinquênios e mais de três mil aposentadorias represadas desde 2006. Fizemos tudo isso para mostrar que o governo está promovendo uma reposição de direitos que não foram cumpridos em anos passados.
A secretária de Educação acrescenta que a alteração do porte das escolas incide na gratificação dos diretores, de acordo com o tamanho das escolas, reivindicação antiga dos gestores. Pela nova proposta da governadora, os diretores terão a gratificação atual dobrada em praticamente todos os portes. Além disso, os diretores das DIRED também receberão aumento na gratificação. Diante da agenda de informações, vale salientar que agora será possível o atendimento das reivindicações dos trabalhadores em Educação, com isso o governo mostra que é um reconhecimento muito importante para aqueles que contribuem efetivamente para o fortalecimento da educação, disse Betânia Ramalho.

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

EXPOSIÇÃO DE DORIAN GRAY CALDAS - CONVITE

fonte: por e-mail

domingo, 19 de janeiro de 2014

PESQUISA REVELA COMO JOVENS ENXERGAM A CARREIRA DE PROFESSOR.

De acordo com dados do Censo Inep/MEC 2012, há 7.037.688 alunos no ensino superior no Brasil. Desses, 19,5% estão matriculados em cursos de licenciatura. Ou seja: todos são preparados, durante a graduação, para se tornarem professores do ensino médio e fundamental. Mas será esse o sonho de carreira desses jovens? A questão foi o tema da última pesquisa realizada pelo Nube, entitulada "Você tem vontade ser professor de ensino fundamental ou médio?"
A pesquisa foi realizada entre 02/12 e 13/12 e contou com a participação de 6.910 internautas. As alternativas foram "Sim, tenho vocação para ensinar", "Já tive vontade, mas desisti pelas más condições", "Não, é uma profissão cada vez menos valorizada" e "Sim, apesar de ter um baixo salário".
A opção mais votada foi "Não, é uma profissão cada vez menos valorizada" com 40,07%. Para Henrique Ohl, Analista de Treinamento do Nube, esse pode ser um reflexo das manifestações, iniciadas no meio de 2013. "A população não está satisfeita com a educação de maneira geral. Além disso, a faixa salarial destes profissionais está abaixo da maioria das outras carreiras, tornando-a menos atraente", comenta.
Em seguida, veio "Sim, tenho vocação para ensinar", com 28,93%. "Em se tratando de professores, a felicidade está muito mais relacionada ao desejo profissional quando comparada ao salário. Quem 'nasceu com o dom' tem facilidade para atuar e, consequentemente, mais motivação para trabalhar", explica Ohl.
Em terceiro, com 19,70% ficou "Já tive vontade, mas desisti pelas más condições". Com isso, a soma das duas respostas negativas totaliza 59,77% dos votos, servindo como um alerta para um possível "apagão" de educadores.
Por fim, "Sim, apesar de ter um baixo salário" terminou com 11,30%. "Tão importante quanto a dedicação é a reinvidicação por melhorias de salários e condições de trabalho. O futuro deve ser construído pelos adultos de hoje, não pelos de amanhã", finaliza Ohl.
Embora o número de formados aumente a cada ano, pesquisas revelam o desinteresse pela carreira de educador. De acordo com dados do Ministério da Educação (MEC), só nas áreas de Matemática, Física e Química, o déficit é de 170 mil posições. Outro levantamento, realizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), mostra uma realidade preocupante. Cerca de 53,5% dos docentes do ensino médio público e particular não tem a formação ideal para lecionar; ou seja, o diploma de licenciatura.

Fonte: Nube. Imagem: sxc.hu.

SEGUNDO ENCUENTRO DE ESCRITORES INTERNACIONALES “LITERATURA AL MAR”


Del 2 al 9 de junio 2014

COLOMBIA-La Guajira: El movimiento Poetas del Mundo tiene el agrado de invitar a los poetas de todo el planeta al Segundo Encuentro Internacional de Escritores “Literatura al Mar” a realizarse del 2 al 9 de junio 2014 en la Guajira, Colombia. Serán 8 días de compartir la poesía con los habitantes del norte de Colombia donde los escritores y poetas tendremos la ocasión y el privilegio de interactuar con comunidades indígenas, estudiantes, y trabajadores de diferentes puntos de atracción turística del Departamento de La Guajira.
Este año, La Fundación Casa del Arte, rinde homenaje a los Poetas Guajiros fallecidos CLICERIO TOMAS PANA URIANA, JOSE MANUEL DAZA NOGUERA y por Colombia al maestro FERNANDO SOTO APARICIO (Embajador de Poetas del Mundo en Colombia) figuras de la poesía y novela colombiana en los últimos tiempos.
En sus aspectos culturales se destaca en ser cuna de la música vallenata, tierra de cantantes y compositores. Más abajo encontrarás un detalle de los atractivos turísticos y culturales de esta bella zona del planeta, oportunidad única para conocerla cultural, poética y turísticamente.

El evento tiene un valor de participación rebajado para los poetas del mundo, los miembros de esta organización pagarán sólo 460 USD, con una parte al momento de inscribirse y asegurar la reserva de 200 USD y 260 USD a la llegada al evento.
PAGO DE INSCRIPCIÓN Y RESERVAS
200 USD que pueden ser enviados por Western Union, Money Gram, Correos, etc. a:
Maggy Gómez Sepúlveda
Santiago de Chile
Pago con Tarjeta de Crédito
200 USD + Gastos de comisiones de 20 USD = 220 USD
http://apostrophes.cl/?cat=12


CRONOGRAMA GENERAL DEL ENCUENTRO DE ESCRITORES LITERATURA AL MAR 2014
FECHA
LUGAR
EVENTO
HORA
RESPONSABLES
 2 de Junio 2014
HOTEL
San Juan del Cesar La Guajira
RECIBIMIENTO ESCRITORES
8:00 AM
FUNDACION CASA DEL ARTE
2 de Junio 2014
HOTEL MURILLO
San Juan del Cesar La Guajira
Entrega de escarapela, Cronograma y refrigerio
11:00 AM
FUNDACION CASA DEL ARTE
2 de Junio 2014
Restaurante
Almuerzo
12:30 PM
FUNDACION CASA DEL ARTE
2 de Junio 2014
CLUD DE LEONES
San Juan del Cesar La Guajira

Apertura
5:00 PM
FUNDACION CASA DEL ARTE
2 de  Junio 2014
Casa de la Cultura San Juan del Cesar La Guajira

Cena poética
7:00 PM
FUNDACION CASA DEL ARTE
3 de Junio 2014
Instituciones  Educativas el Carmelo, Normal Superior, Manuel Antonio Dávila y INFOTEP
Encuentro Pedagógico Literario, san Juan del Cesar la Guajira
9:00 AM a 3:30 PM
FUNDACION CASA DEL ARTE





3 de Junio 2014
Hotel  IPARU de Barrancas la Guajira
Recibimiento de Escritores
4:00 PM
FUNDACION CASA DEL ARTE
3 de Junio 2014
Centro de eventos
 Apertura, muestras folclóricas a escritores  y cena
6:00PM- 9:00PM
FUNDACION CASA DEL ARTE
3 de Junio 2014
Instituciones Educativas
Encuentros Pedagógicos literarios
8:00 AM – 12:00M
FUNDACION CASA DEL ARTE

3 de Junio 2014
Restaurante
ALMUERZO
1:00PM
FUNDACION CASA DEL ARTE
3 de Junio 2014
Principales calles de  Municipio Barrancas
Recorrido ante el Municipio
4.30 PM
FUNDACION CASA DEL ARTE
3 de Junio 2014
Centro de convenciones
Cena Poética, Entrega de certificado y clausura
7:00PM
FUNDACION CASA DEL ARTE










4 de Junio 2014
Hotel Riohacha
Recibimiento
10:00
FUNDACION CASA DEL ARTE
4 de Junio 2014
Centro de convenciones ANAS MAI
Almuerzo
12:30 PM
FUNDACION CASA DEL ARTE





4 de junio 2014
Universidad de  la guajira, centro de convenciones ANAS MAI, cámara de comercio, Banco de la Republica Instituciones  Educativas y centro cultural
Distribución de escritores para  Conversatorios, talleres y presentaciones
3:00 PM a 5:00pm
FUNDACION CASA DEL ARTE
4 de Junio 2014
Centro cultural departamental
Concentración de público y recibimiento oficial de escritores por el señor gobernador  y entidades competentes.
5:00 PM
Presidenta de la fundación casa del Arte y Delegada de la asociación y delejados Departamental
4 de Junio 2014
Centro de cultural
Fogata Poética, noche poética y cena
7:30 PM
Presidenta de la fundación casa del Arte y delegados Departamental
5 de junio 2014
Hotel URIBIA CAPITAL INDIGENA DE COLOMBIA
RECIBIMIENTO DE ESCRITORES
8:AM
Presidenta de la fundación casa del Arte y Delegada de la
5 de Junio 2014
Instituciones Educativas de la  capital Indígena de Colombia
Visita a los Colegios
10:00 AM
Presidenta de la fundación casa del Arte y Delegada de la asociación y delejados Departamental
5  de Junio 2014
Restaurante
Almuerzo
12:30 M
Fundación casa del arte delegados de la alcaldía
5 de junio 2014
Centro Cultual
Talleres
3:00 pm
Fundación
 Casa del Arte
5 de junio 2014
Plaza principal
Noche poética a la comunidad en general
6:00 pm
Fundación casa del arte delegados Fundación Casa del arte
6 de Junio 2014
Cabo de la Vela
Recibimiento de escritores cabo de la vela
10:00 am
Fundación casa del arte
6 de Junio 2014
Cabo de la vela
Almuerzo
12:30 pm
Fundación casa de arte
6 de junio 2014
Cabo de la Vela
Tarde Cultural, encuentro de putchiput con Abuelos Facatativeños Cundinamarca (cultura
3:00 pm
Fundación Casa del Arte
6 de Junio 2014
Cabo de la vela
Literatura al mar, poemas al mar
5:00 pm
Fundación casa del arte
7 de junio 2014
Cabo de la vela
Nombres y premiación de ganadores de estímulos  Fundación Casa del arte Ashaja 2014
10:00

7  de junio 2014
Cabo de la vela
almuerzo
12:30 pm
FUNDACION CASA DEL ARTE
7 de junio 2014
Cabo de vela
Tardes Literatura al mar
2:00pm a 6:00 pm
FUNDACION CASA DEL ARTE
7 de Junio  2014
Cabo de la Vela
Cena especial
8:00 pm
FUNDACION CASA DEL ARTE
8 de Junio 2014
Cabo de la Vela
Poesía  al mar
10:00 am
FUNDACION CASA DEL ARTE
8 de Junio 2014
Cabo de vela
Almuerzo y despedida

12:30 am

8 de Junio 2014
San juan Guajira  hotel
Clausura y entrega de certificados
6.00 pm
FUNDACION CASA DEL ARTE
9 de Junio 2014
Hotel San Juan
Despedida  y desplazamiento de escritores
9:00 am
FUNDACION CASA DEL ARTE

FORMULARIO DE INSCRIPCIÓN [Llenar y enviar]
Nombre completo:
Nacionalidad:
Pasaporte:
Dirección Postal en su lugar de residencia:
Teléfono:
Correo electrónico:
(Adjuntar detalles del libro y breve reseña)
¿Es poeta del mundo?
En caso afirmativo ¿Cuál es su ID?

NOTA: Enviar 5 poemas de su autoría, una síntesis biográfica (máximo una cuartilla)
Y una fotografía digital reciente.
Observaciones (particularidades individuales que nos ayuden a la óptima atención de cada participante)


INFORMACIONES DE LA REGIÓN

Guajira 1
La Guajira, uno de los 32 departamentos en los que está divididaColombia. La Guajira es la extremo norte del país, una península lejana, aislada, conflictiva, que se adentra en el Caribe y que comparte con Venezuela.
¿Qué hace singular a La Guajira? Muchas cosas, pero la primera que sorprende al viajero que llega por carretera desde la vecina Santa Marta es que en apenas un suspiro pasa de los bosques tropicales húmedos de la Sierra Nevada y del territorio Tayrona a un desierto que recuerda mucho al Cabo de Gata español. Echas una cabezada en el coche y –literalmente- te duermes rodeado de selva y te despiertas rodeado de cactus.

Guajira 2
La Guajira fue siempre un lugar lejano e inhóspito, tierra con poca ley a la que escasamente llegaba la mano del gobierno central. 
La única carretera asfaltada y las muchas sin asfaltar (“destapadas” las llaman aquí) están llenas de vendedores ambulantes que se publicitan agitando un embudo con la mano...
Guajira 3
La capital de La Guajira se llama Riohacha y es una ciudad grande y destartalada donde suena el vallenato en cada esquina. No en vano este ritmo, uno de los más famosos de Colombia, se inventó aquí (o digamos, para no pisar callos, que en el Caribe colombiano, que esto de la paternidades siempre tiene más de un pretendiente). Riohacha tiene poco que ver más allá del Paseo de la Marina, un malecón orlado de palmeras, muy animado por las noches, que separa el tráfago urbano y las enormes playas caribeñas de arena blanca. Pero es un buen lugar desde el que planificar excursiones a los parajes naturales de La Guajira.
La más famosa y recomendable es al Cabo de la Vela. Al cabo hay 120 kilómetros pero el asfalto acaba en Uribia, a apenas 40 de la salida. Luego viene una pista de tierra en buen estado que circula en paralelo a la línea de ferrocarril por donde se lleva carbón desde las minas de Cerrejón hasta Puerto Bolívar y después unos 20 kilómetros finales por carretiles de arena y barro donde los cactus cardones y las tunas alcanzan alturas considerables. Es el desierto de la Alta Guajira, el paisaje más impactante. El territorio de los wayuu, los indígenas de La Guajira. Un pueblo nómada que vive desde hace siglos en estos desiertos pastoreando sus chivos, pescando en las aguas del Caribe y moviéndose de un lado para otro en busca de la lluvia, que almacenan en unos pozos llamados jagüeyes, porque en esta tierra hostil no existe agua en superficie. Los wayuu son una de las etnias más homogéneas y menos aculturizadas de Colombia. Gente áspera, dura, reacia a hablar con el extranjero y menos aún a dejarse fotografiar, que han resistido en esta esquina salvaje con muy pocos cambios en su estilo de vida.
Guajira 6
Una tres horas después, con el cuerpo molido por el traqueteo, aparece Cabo de la Vela, un villorrio de humildes ranchitos de yotojoro y una única calle a lo Far-West que bien podría haberse caído de las páginas de una novela de García Márquez. Hay tendido eléctrico, pero no sé por qué extraña razón los electrones se niegan a llegar a este remoto lugar, así que la poca iluminación que existe es a base de placas solares. Tampoco hay agua canalizada, toda la que se consume llega encamiones cisterna desde Riohacha a precio de champagne francés. Pero cada vez llegan más turistas, atraídos por la belleza de un desierto costero de luces inquietantes y colores arrebatadores, y gracias a ellos existen unos servicios mínimos de hospedaje.
Las mujeres wayuu, con sus túnicas de colores vivos, caminan por la llanada como semáforos de alegría en medio del tostado eterno de la llanura. El color del Caribe se hace aquí más azul, más transparente, y la bahía resguardada del viento del nordeste donde se asienta el poblado parece un decorado luminoso donde se hubieran inventado palabras tan bellas como diáfano, traslúcido, puro o cristalino.
Guajira 5
Una vez allí lo normal es acercarse a ver el monte de la Vela, que da nombre al cabo y que como es obvio, tiene forma de vela. O ir a bañarse a playas hermosas y solitarias como las de Pilón de Azúcar o Ojo de Agua, calas de mediano tamaño y arenas doradas orladas por acantilados resecos de gran belleza (belleza, todo hay que decirlo, un poco afrentada por la de basura que se acumula en los rincones; lo de la mala educación de ir a bañarse y dejar todos los residuos tirados parece que es internacional).
Luego al atardecer hay que caminar hasta el faro, sentarse allí y dejar que una bola gigantesca y perfectamente redonda llamada sol se acueste sobre el Caribe en una performance de colores.
Si aún os quedan ganas de aventura se puede continuar seis horas más por pistas de tierra hasta Punta Gallinas y el Parque Nacional Macuira, el extremo norte de la península de La Guajira. Apenas hay servicios turísticos allá, aunque dicen que es un lugar bellísimo donde la arena toma colores imposibles.

fonte: por e-mail